Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 24
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Fundamentos de Marketing
28/02/2011 01h05

Fundamentos de Marketing

 

Uma coisa é uma coisa, outra coisa é  outra coisa

 

O processo eleitoral brasileiro, sobretudo a fase do segundo turno com foco na Presidência da República, foi essencialmente marketing e pouco político. A obrigatoriedade da transmissão da “propaganda eleitoral gratuita” equipara o candidato ao cargo público a um produto de consumo.

A modalidade propaganda eleitoral gratuita é assim denominada em razão de não haver ônus aos partidos políticos, coligações e candidatos. Há, no entanto, custos de transmissão que, de uma forma ou outra, serão  repassados ao consumidor final, seja ele eleitor ou não. Há também os custos de criação e produção de cada campanha que estabelecem uma relação desproporcional entre uma e outra campanha; aqui, quem pode mais, chora menos.

Pois bem, se estamos falando sobre marketing, esqueçamos o conteúdo programático ou as tendências filosóficas, os pensamentos sociológicos e as distinções sobre política de Estado e de governo. Seria como tentar vender uma marca de maionese explicando sua fórmula ou processo em que foi produzida. “Hellmman’s é a verdadeira maionese”; “é mais gostosa” e “é líder de mercado há décadas”. Isso é o que importa realmente ao consumidor. Não; não pensem que viajei na maionese! Foram eles; os políticos e os marketeiros de plantão que viajaram.

Ainda com foco na campanha à Presidência; se candidato é produto, então estamos falando de oligopólio, situação de mercado onde existem poucos fornecedores e, no caso do segundo turno, apenas dois.

Como podem os vencedores do pleito julgarem-se líderes de mercado, se de um total de 136 milhões de eleitores apenas 56 milhões votaram no candidato vencedor? Seria miopia de marketing ou miopia do consumidor? E os perdedores do pleito? Esqueceram do “test drive”, uma das ferramentas do merchandising? Creio que sim, pois o fato é que o consumidor fez o tal “test” e aprovou o produto concorrente. Existe apenas uma maneira de vencer o líder de mercado; é lançando um produto novo, revolucionário, espetacular, desejável e rompedor dos paradigmas.

Sem juízo de valores, foi assim que no passado o candidato “collorido” chegou à Presidência da República. Há que se lembrar, entretanto, de uma famosa frase corrente e recorrente no mundo da propaganda: 
-“Marketing não é mágica. Não há marketing que sustente um mau produto”.
Por isso sempre digo:
-“Marketing é marketing. Política é política. Uma coisa é uma coisa; outra coisa é outra coisa.

Hans Müller é sócio-diretor da White Oak Marketing
hans@whiteoak.com.br

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com