Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 23
Busca::..
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
30/10/2010 09h37

A carga tributária e o pijama

Recentemente, pesquisei preços para a compra de um pijama, em razão de uma viagem que faria ao Sul do País (região muito fria nesta época do ano). Em uma determinada loja encontrei um conjunto ao preço de R$ 40,00, que achei caro e não comprei – as lojas e confecções que me perdoem. Neste mesmo período, assisti uma reportagem na televisão, onde vereadores – de uma cidade do Sul do Brasil, por sinal – foram flagrados fazendo turismo, ao invés de estarem participando de cursos de aperfeiçoamento, pagos com dinheiro público. Conclusão: eles não compareciam as aulas e, com a conivência dos organizadores dos “cursos”, ainda recebiam os diplomas. Primeiro: entendo que se representantes eleitos (sejam eles vereadores, deputados etc) necessitam fazer cursos, é sinal de que não estão prontos, portanto, não deveriam estar onde estão [eleitos]. Segundo: se querem se aperfeiçoar, que os façam pagando dos próprios bolsos, aliás, “muito bem remunerados”, como todos sabemos.
Isso prova que a diminuição da carga tributária é possível e necessária sim, pois, se este dinheiro dos cursos e de muitos outros que são desperdiçados, ficassem no bolso do cidadão comum, certamente, ele seria direcionado para compra de produtos e/ou serviços no mercado comum, onde fraudes como essas não encontrariam condições de existir. Ou seja, quem em sã consciência pagaria um curso do próprio bolso para alguém fingir que ensina?
Durante a década de 1970 e 1980, a carga tributária sobre tudo que se produz no Brasil, o PIB, era em torno de 24%, sendo que hoje alcança 36%, onde o investimento em infra-estrutura era de 4% do arrecadado, contra o atual de 1%. As razões para estes aumentos ocorreram, principalmente, a reboque das demandas por investimentos e gastos sociais. Utopia a parte, seria interessante saber qual o argumento dominaria a cena atual e política se os “pobres e humildes” entrassem em extinção. Voltando ao pijama, imaginem ele chegando ao ponto de venda ao valor líquido em torno de R$ 30,00, onde o peso tributário seria 24%, ao contrário de 36% atuais. Esta diferença, impactada pela adequação dos tributos, manteria o dinheiro nas mãos do produtor e do consumidor, em um ciclo sadio e eficaz, onde a confecção compraria matéria prima com menor custo, a loja teria mais giro e o comprador [eu, no caso], teria menor preço e mais saldo para comprar, do que no dia em que saí da loja de “mãos abanando”.
Boa leitura!
Sérgio Milatias
milatias@revistadoparafuso.com.br
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com