Empresa Edições on-line Fale Conosco
Ediçao 22
Busca::..
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Especial
30/08/2010 09h35

Usinagem de furação

Importante extensão da produção de elementos de fixação, a BMN é responsável pela furação de parafusos e afins. Serviço de alta responsabilidade, executado há mais de 15 anos

 

 

O mundo dos elementos de fixação é tão grande, que a maioria da população mal pode imaginar a complexidade deste segmento e o que ele emprega. Dentre tantas operações que compreendem a produção de fixadores, a BMN faz o beneficiamento de parafusos, rebites, porcas, pinos e similares, além de peças especiais. Fundada em 19 de abril de 1995, pelo empresário Braz Morales Neto (á dir), a empresa está localizada em Santana de Parnaíba, SP, e faz usinagem de furação em fixadores metálicos direcionados para a linha automotiva, duas rodas, implementos agrícolas e lojistas. “Executamos um trabalho de alta responsabilidade, que deve ser realizado com a máxima qualidade, para não comprometer um conjunto no futuro. Parte de nossos clientes exporta este material”, comentou Neto. Certificada pela ISO 9001:2008, atualmente, a BMN possui 28 funcionários e um parque fabril com 43 máquinas: tornos, furadeiras manuais, automáticas e semi automáticas, para furações longitudinais, transversais, cruzadas, inclinadas, cegas e de centro. “Somos parte do processo de produção do parafuso”, falou o proprietário. Morales ressalta que um dos diferencias da empresa é a exclusividade em furação. “Não temos outra atividade, o que garante 100% a qualidade. Prova disto, é que nunca perdemos um cliente se quer.

Nossa carteira tem só aumentado”. Todos os funcionários recebem cursos de interpretação de desenho, leitura de paquímetros, micrômetros, e seguem todos os procedimentos a serem executados. “Temos um sistema de medição de peça a cada 30 minutos ou a cada hora, se houver algo errado neste período, o sublote é segregado, segue para uma área de escolha. Isso dá muito confiabilidade e garantia de nosso trabalho”, enfatizou Morales. Os fabricantes de parafusos enviam os produtos, o desenho e especificações de furação a serem executados (que devem ser seguidos criteriosamente). A empresa cria todo o ferramental e processo interno. “Existem serviços que chegam a ter nove operações, ou seja, desenvolvemos todos os dispositivos”, garantiu. E o tempo de produção para cada peça é variável. “Tem itens que fazemos 800 peças por hora, e outros, 120 por hora. Depende do tamanho, diâmetro da furação, entre outros”, explicou.

Nos primórdios Morales sempre trabalhou com parafusos, e desempenhou a maior parte de sua carreira na antiga Mapri (hoje Acument), na área de planejamento e controle de produção. Ali percebeu este nicho de mercado, identificando a necessidade das indústrias de elementos de fixação em ter fornecedores que executassem usinagem de furação. “Aposentei-me e conversei com os diretores de lá sobre este meu projeto. Fui apoiado de imediato, fundei a BMN e, entre 1995 e 1997, atendi exclusivamente a Mapri”, lembrou. Após uma forte crise em 1997, que afetou gravemente a indústria de parafusos, Morales percebeu o risco que corria ao atender um único cliente. Em conversa, ambas as partes decidiram que era preciso crescer, e a partir de então, as portas abriram-se para todas as empresas de segmento de fixação que necessitassem de furação. Os negócios prosperaram, e a empresa, que começou atividades com apenas oito colaboradores, chegou a ter 50. E do galpão de 300 m2, foi preciso se mudar para um maior, de 600 m2. A marca tinha produção de aproximadamente 1.200.000 peças por mês.
Porém, o empresário não se esquece na crise internacional que abalou o mundo no final de 2008, e deixou sequelas nos negócios em 2009 (embora, o Brasil tenha se recuperado rapidamente). “Trabalhávamos em ritmo acelerado, que foi interrompido. Hoje, retomamos apenas 60% da produção que tínhamos antes deste momento fatídico. Conseguimos nos estabilizar, mas ainda não estou satisfeito”. Para isso, a BMN almeja um novo segmento. O empresário quer entrar na área de automação para furação e rosca, em busca de ganhos em produtividade e qualidade, ficando ainda mais competitivo. “Além dos furos, faremos a rosca interna. Estamos desenvolvendo processo para isso, e creio que em torno de um ano estaremos prontos para oferecer mais este serviço”, avisou. A expectativa de crescimento para 2010 é de até 30%. Para Neto, estes 15 anos de existência significam um tempo muito especial. “Aprendemos todos os dias. E é bastante gratificante ver o trabalho realizado, comprando máquinas, contratando pessoal e melhorando nossa estrutura. Sinto que nossos clientes confiam em nós, tendo a certeza de que oferecemos qualidade e prazo. Já fazem mais de quatro anos, que não temos uma única rejeição”, encerrou.
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com