Empresa Edições on-line Fale Conosco
Ediçao 22
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Entrevista
30/08/2010 08h53

Marco Polo de Mello Lopes

O objetivo da siderurgia brasileira é prover, com eficácia, o abastecimento interno  de produtos siderúrgicos e participar, de forma permanente, do comércio mundial do aço, contribuindo para o desenvolvimento sustentável e o bem estar social. É sobre este assunto que o presidente executivo da Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes, conversou com a Revista do Parafuso


Fundado em 31 de maio de 1963, o Instituto Aço Brasil – IABr (antigo Instituto Brasileiro de Siderurgia – IBS) tem como objetivo congregar e representar as empresas brasileiras produtoras de aço, defender seus interesses e promover o desenvolvimento. No cumprimento dessas atribuições, o Instituto realiza estudos e pesquisas relacionados à produção, equipamentos e tecnologia, matérias-primas e energia, tendências de mercado, novas aplicações do aço e relações industriais; coleta dados, prepara e divulga estatísticas; colabora na normalização de produtos; desenvolve programas e políticas definidos pelo setor; atua como representante setorial junto a órgãos e entidades públicas e privadas no País e no exterior; desempenha atividades de relações públicas e mantém contato com entidades afins no exterior.   De acordo com o presidente executivo do Instituto, Marco Polo de Mello Lopes(á dir.), o objetivo é reforçar os atributos positivos da indústria do aço, como solidez, eficiência, responsabilidade sócio ambiental, resistência, modernidade, confiabilidade, além de esclarecer o que não é percebido corretamente. Segundo ele, o setor está preparado para vencer os desafios e aproveitar as oportunidades de crescimento, reforçando seu compromisso com o Brasil. O Instituto é uma entidade de classe, sem fins lucrativos, mantido pela indústria do aço do País. As empresas associadas operam usinas integradas e semi-integradas, ofertando uma ampla gama de produtos siderúrgicos que atende plenamente o mercado interno e sustenta uma forte posição exportadora, situando o setor entre os principais geradores de saldo comercial do Brasil. O IABr possui entre os associados 13 empresas privadas, controladas por oito grupos empresariais e operando 27 usinas distribuídas por dez estados brasileiros. São elas: Aços Villares, ArcelorMittal Aços Longos, ArcelorMittal Inox Brasil, ArcelorMittal Tubarão, Companhia Siderúrgica Nacional – CSN, Gerdau Açominas, Gerdau Aços Especiais, Gerdau Aços Longos, Usiminas, Siderúrgica Norte Brasil – Sinobras, V&M do Brasil, Villares Metals e Votorantim Siderurgia. Lopes respondeu as perguntas da Revista do Parafuso e nos passou maiores informações sobre este setor, que tanto mexe com o segmento dos elementos de fixação. Acompanhe a seguir:

Revista do Parafuso (RP): Quais as ações e eventos que o IABr organiza?
Marco Polo de Mello Lopes (MPML): O Congresso Brasileiro do Aço & ExpoAço é o principal evento realizado pelo IABr, e o mais importante da cadeia do aço. Além disso, organiza cursos para suas associadas e o Seminário sobre a Indústria do Aço para jornalistas, visando melhorar a formação do profissional de imprensa, com relação a esse mercado. O Instituto também apoia a realização de diversos eventos e cursos do setor, de forma institucional ou como patrocinador.
RP : De quanto é a produção de aço no Brasil? Quanto é exportado?
MPML: A produção brasileira de aço bruto em maio de 2010 foi de 2,9 milhões de toneladas, representando elevação de 5,5% em relação a abril, e aumento de 50,8%, quando comparada com o mesmo mês em 2009. Em relação aos laminados, a produção de maio, de 2,3 milhões de toneladas, representou alta de 5,2 % na comparação com o mês anterior e elevação de 42,4% quando comparada com maio do ano passado. Com esses resultados, a produção acumulada em 2010 totalizou 13,5 milhões de toneladas de aço bruto, e 10,8 milhões de toneladas de laminados, o que significou aumento de 56,9% e 64,5%, respectivamente, sobre o mesmo período de 2009.
RP : Qual é o volume e principais características do aço importado?
MPML: No que se refere às importações, registrou-se em maio, o volume de 494,5 mil toneladas (US$ 433 milhões) totalizando, desse modo, 2,3 milhões de toneladas de produtos siderúrgicos importados no ano; 149,1% acima do mesmo período do ano anterior.
RP: Qual a atual realidade do aço no Brasil?
MPML: A indústria brasileira do aço está preparada para atender aos desafios do crescimento econômico. Nossa capacidade atual supera em 103% a demanda interna prevista para este ano, e possibilita ao setor manter elevada posição exportadora (ainda assim vamos continuar investindo). Os projetos de expansão previstos para o setor compreendem R$ 71,6 bilhões, que devem elevar a capacidade de produção de aço do País para cerca de 77 milhões de toneladas, em 2016. A retomada dos projetos de expansão demonstra a confiança da indústria do aço no crescimento sustentável do Brasil, e reafirma a disposição de continuar abastecendo plenamente o mercado interno e ampliar a participação nos mercados internacionais.
RP: Como você enxerga a concorrência do Brasil com os demais países do mundo?
MPML: As exportações de produtos siderúrgicos em maio de 2010 atingiram 654,8 mil toneladas, no valor de US$ 419,6 milhões. Com esse resultado, as exportações em 2010 totalizaram 3,5 milhões de toneladas e US$ 2,0 bilhões, e um aumento de 28,9% em volume e de 21,5 % em valor, quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Dentre as preocupações do setor destacam-se a queda nas exportações e as crescentes importações de bens fabricados por alguns segmentos intensivos em aço. É um quadro que requer atenção e está associado às taxas de câmbio e, em parte, a assimetrias nas condições de concorrência com empresas internacionais.
RP: Devido aos altos preços do aço no Brasil, algumas empresas importam o produto. Qual o número dessa importação? E qual sua opinião sobre essa ação?
MPML: O Instituto Aço Brasil não discute preços pois a legislação antitruste do País não permite que uma entidade de classe tome para si a responsabilidade da coordenação e discussão desse tema. Cabe ressaltar, porém, que a importação sempre foi e será uma opção para os consumidores. Faz parte da economia de mercado desde que respeite as normas de qualidade e da isonomia competitiva.
RP: Qual a representatividade das empresas produtoras de elementos de fixação no Brasil que consomem o aço nacional?
MPML: Não temos esse nível de detalhamento para distribuição setorial de vendas de aço. Tradicionalmente, os setores automotivo, da construção civil e bens de capital são responsáveis por mais de 80% das vendas de aço.
RP: Alguns fabricantes de parafusos, por exemplo, se queixam, além dos preços da baixa qualidade, portanto, baixo rendimento. Fale a respeito.
MPML: A indústria produtora de aço atua junto a ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas –, através do Comitê Brasileiro de Siderurgia CB-28, que visa normatizar matérias-primas e insumos siderúrgicos, tais como: carvão, coque, ferro-ligas, sucata e produtos para lingotamento de aço; e produtos siderúrgicos planos, longos e tubulares de aço, no que concerne à terminologia, requisitos e métodos de ensaio.
A normatização tem como objetivo atender às exigências e às necessidades do mercado; consolidar o desenvolvimento tecnológico; padronizar requisitos dos produtos; facilitar a comunicação entre o fabricante e o cliente; promover a fabricação de produtos com qualidade; reduzir custos; aumentar a produtividade e racionalizar a produção; permitir ao cliente/consumidor verificar a qualidade dos produtos; e facilitar a identificação da origem dos produtos. A listagem com as normas publicadas está disponível no site do CB-28 e também através da ABNT. A indústria brasileira do aço opera de acordo com os mais rígidos padrões de operação do mundo.
RP: Produzir aço com menos insumos e matérias-primas tem sido um dos assuntos trabalhados pelas empresas produtoras de aço no Brasil. Como isso é possível? E como essa tecnologia tem sido trabalhada?
MPML: As associadas têm reduzido de forma sistemática o consumo de recursos naturais não renováveis, por meio de maior eficiência no uso desses recursos e incremento da reciclagem de materiais gerados no processo. Atualmente, por exemplo, 94% da água usada no processo siderúrgico é recirculada. Além disso, o aço é 100% reciclável, o que significa que usinas brasileiras podem comprar o aço do consumidor final para mandar novamente para o forno e transformá-lo em aço. O setor, intensivo no consumo de energia por suas características de operação, busca continuamente alternativas tecnológicas de fontes de energia e de procedimento que propiciem a redução do consumo de energia e/ou eficiência.
             
RP: Como você enxerga o futuro deste segmento no Brasil?
MPML: O Instituto prevê para este ano, forte recuperação dos níveis de atividades da indústria do aço no País. O consumo deve crescer 24,4%, atingindo 23,1 milhões de toneladas de produtos siderúrgicos, enquanto as exportações estão estimadas em 11 milhões de toneladas (+27,4%), possibilitando desse modo aumento de 25,1% na produção de aço bruto, para 33,2 milhões de toneladas. Os chamados programas especiais, como Minha Casa, Minha Vida, Petróleo e Gás, Copa do Mundo e Olimpíadas, estão sendo esperados pelas empresas e podem dar relevantes contribuições ao crescimento sustentado do nosso mercado nos próximos anos. Atualmente, a capacidade de produção é 103% superior à demanda interna, o que permite a esta indústria atender a totalidade do mercado interno e manter a forte posição exportadora que situa o setor, dentre os maiores geradores de saldo comercial do Brasil.
 

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com