Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 01
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Educação
30/12/2006 02h58

O ensino e o setor de fixadores

Cursos formam profissionais para a indústria parafuseira, mas ainda faltam referências técnicas para melhor preparo dos alunos

A mão de obra é um dos pilares da industria e, para garantir uma boa produtividade, deve ser preparada e qualificada para cada função. Uma das instituições responsáveis pela formação de técnicos para o setor industrial é o Senai – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, que oferece cursos específicos de automação e manufatura para quem quer atuar na industria de fixadores. O curso tem duração de dois anos, com três horas/aula diárias, realizadas de segunda a sexta-feira.
Além dos materiais didáticos, os alunos têm acesso a equipamentos de última geração para o desenvolvimento de projetos e a produção de peças, como o manuseio de máquinas CNC (Computer Numeric Control ou Controle Numérico Computadorizado). Por outro lado, de acordo com o coordenador da Escola Senai “Robert Simonsen”, em São Paulo (SP), Alcindo Daniel Favero, a literatura disponível sobre o setor de fixação é muito restrita. “ Os alunos têm apenas referências. A literatura técnica é deficiente e isso dificulta a distinção ou identificação dos tipos de parafusos existentes no mercado.”
Outro problema apontado pelo coordenador está relacionado às normas determinadas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). “Atualmente, as normas da ABNT atendem a menos de 40% das empresas nacionais, ainda não há uma unificação, um padrão para estes componentes. Como grande parte das empresas vieram de outros países, trouxeram de suas origens, próprias normas”, completa Favero. O resultado é uma infinidade de patentes, às quais os alunos não possuem acesso.
“Cada fabricante utiliza normas, dimensões e materiais específicos. O técnico só terá acesso às normas e aos produtos feitos pela empresa onde irá trabalhar.Uma é diferente da outra”. Apesar do esforço do Senai em explorar da melhor maneira as questões técnicas, o aluno irá conhecer realmente o processo de criação e produção de determinados produtos quando estiver dentro de uma fábrica. Uma medida para melhorar a qualidade de ensino e o preparo dos alunos seria o setor colocar a disposição das instituições de ensino, mais informações sobre seus produtos, como especificações e normas. Isso também seria um benefício para as próprias empresas, que contratariam esses profissionais no futuro.

Da esquerda para a direita, o prof. Luiz Carlos Duarte, Aline Sayuri Kayaki, o prof. Pedro Sertek e o coordenador da Escola Senai "Robert Simonsen", Daniel Alcindo Favero

 

Escola SENAI " Roberto Simonsen"
Telefone: (11) 3322-5000
Site: www.senai101.com.br

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com