Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 03
Busca::..
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Entrevista: Edison Boettcher
30/04/2007 10h47

Para o gerente comercial da Fey, indústrias nacionais têm produção de alto nível e se equipara a qualquer outro mercado tradicional no segmento de fixação

Durante a cobertura da Automec (leia na página 10), a Revista do Parafuso conversou com Edison Carlos Boettcher, gerente Comercial da Fey. Ele comenta nesta entrevista sua visão sobre o setor parafuseiro e o desenvolvimento da indústria nacional. Localizada em Indaial (SC), a Fey produz mais de 6.000 itens (porcas, parafusos, grampos de mola, pinos de centro e barras roscadas) destinados a diversos segmentos da indústria, como automotivo e de máquinas agrícolas. No início deste ano, a empresa passou a operar em uma unidade de 30 mil m², contando com 420 colaboradores e uma capacidade instalada de 1.800 toneladas/mês. Fundada em 1966, a Fey atende a todo o mercado nacional e países da América Latina.
 
Revista do Parafuso (RP): Como você avalia o setor de fixadores no Brasil?
Edison Boettcher: De um modo geral, o setor está muito bem desenvolvido quanto a sua capacidade instalada, nível tecnológico e de distribuição. Não deve nada a qualquer outro mercado com tradição neste segmento. Temos indústrias multinacionais que chegaram há muitos anos e empresas genuinamente nacionais e a união de todas elas vem contribuindo de forma decisiva para o desenvolvimento e aprimoramento do mercado de fixadores. Se não fizeram mais, não foi por falta de empenho, mas pelas constantes oscilações e incertezas da nossa economia. O setor tem crescido nos últimos anos e sofrido grandes transformações em função dos desafios apresentados pelas várias mudanças do cenário econômico. Isso provavelmente provocou alterações profundas em muitas organizações.
RP: Hoje, que segmentos da indústria mais favorecem o crescimento do setor parafuseiro? Por quê?
Boettcher: Praticamente todos os setores relacionados à indústria têm registrado níveis importantes de crescimento, com destaque especial para o automotivo, de infra-estrutura e agrícola.
Vista aérea da FEY em Indaial-SC
RP: De que forma a Fey contribui para este crescimento?
Boettcher: A Fey possui uma trajetória de 41 anos com freqüentes investimentos em máquinas, equipamentos, tecnologias e capacitação de seus funcionários. Há contínuo aprimoramento e adequação de todos os processos, para atender às necessidades mais específicas de nossos clientes. Estamos nos preparando para novos desafios, com a consolidação de investimentos significativos realizados em 2006. Nos primeiros meses deste ano, concluímos a transferência da unidade fabril para novas e amplas instalações, com uma área total construída de 30 mil m².
RP: Quais são os principais produtos e clientes da empresa?
Boettcher: Estamos no negócio de fixadores e componentes conformados, oferecendo ao mercado uma ampla gama de produtos para os mais diferentes segmentos da indústria automotiva, de máquinas agrícolas, tratores e motocicletas.
RP: A Fey está desenvolvendo alguma tecnologia? Para qual aplicação?
Boettcher: Nossa estratégia prevê investimentos constantes em P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) voltados para a criação de novos produtos, a melhoria contínua dos processos e a aplicação das mais modernas tecnologias de produção, com o objetivo de oferecer ao mercado as melhores soluções em fixadores.
RP: Qual sua opinião sobre o aumento de empresas estrangeiras no setor parafuseiro, em especial as chinesas? Isso representa uma ameaça às indústrias nacionais? Boettcher: Sem dúvida alguma elas representam uma ameaça, mas é um fenômeno ocorrido no mundo todo. Para enfrentar essa realidade, precisamos ser ágeis e colocar nossa criatividade em ação. O caminho é inovar.
RP: O que as empresas nacionais e as instituições governamentais podem fazer para manter ou melhorar a competitividade?
Boettcher: Como representante das indústrias de fixadores, o SINPA (Sindicato da Indústria de Parafusos, Porcas, Rebites e Similares no Estado de São Paulo) tem atuado para equalizar a competitividade da indústria brasileira com a dos fabricantes estrangeiros, por meio de medidas de auxílio e apoio à produção nacional. Pelo lado do governo, a tarefa é atacar de forma efetiva o “custo Brasil”, o qual deteriora todo o esforço das empresas nacionais.
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com