Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 04
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos: Dicas para calibração de roscas internas; Leandro G. Maçorano
30/06/2007 10h53

A escolha criteriosa das ferramentas para a usinagem de roscas, além de evitar perdas e transtornos, pode se tornar um fator de melhoria na produtividade

Após décadas de trabalho contínuo na área de ferramentas de corte, principalmente àquelas destinadas ao rosqueamento de fixadores metálicos – como machos, cossinetes e calibradores de roscas tampão (passa e não-passa), vivenciei e herdei do meu pai inúmeras experiências e as transformo em dicas para os leitores desta Revista. Aliás, adquiri um novo aprendizado numa manhã em Diadema, no Grande ABC. E ele me inspirou a escrever este artigo. O caso foi o seguinte: um comprador, ao solicitar a ferramenta, não informou ao fornecedor qual material seria utilizado na usinagem.
O fato de o cliente não ter feito a escolha correta do material interferiu no ângulo de corte que se deve afiar o macho. Ele adquiriu um macho na tolerância 6H, que ocasionou um alargamento de 0,1mm, causando a rejeição da peça em execução, por não calibrar na tolerância especificada. Em inúmeros segmentos industriais, inclusive no setor parafuseiro, casos como este têm sido comuns. Eles acontecem no nosso dia-a-dia na Indústria de Ferramentas Edge Ltda., empresa fundada há 43 anos pelo meu avô, Hermindo Grandizoli.
Aqui vão algumas dicas:
1. A escolha da ferramenta adequada para usinar a rosca e sua tolerância deve considerar:
-A tolerância do macho com a rosca a ser usinada
-Ângulo de corte em função do material a ser usinado
 
-Ponta da entrada do macho
-Alinhamento do macho em relação à porca
-Velocidade de corte (em RPM)
-As condições de máquina e equipamentos em geral
-Avanço da máquina (passo guiado ou sem passo guiado)
-Lubrificação ou refrigeração
-Verificar o diâmetro do furo perante as normas
2. Adequar o calibrador de roscas tampão (passa e não passa) e sua tolerância. No caso de roscas métricas, usar a tolerância 6H; e para roscas em polegadas, usar a tolerância 2B. Estas são as tolerâncias mais utilizadas na fabricação de porcas, sendo que existem outras tolerâncias, devido ao ajuste necessário a determinados elementos roscados especificados nas normas.
 
4. No caso de porcas especiais com tratamento superficial, redimensionar as tolerâncias e adquirir ferramentas com medidas alteradas para suprir a espessura do tratamento superficial. As dicas sugeridas acima não servem de regra para todos os fabricantes, por existirem vários fatores que influenciam na usinagem das roscas com ferramentas de corte. Porém, espero que as mesmas ajudem os fabricantes e os faça atentar para a compra de acordo com seu trabalho (máquinas, materiais e tolerâncias).

* Leandro Grandizoli Maçorano é técnico em mêcanica e diretor da indústria de Ferramentas Edge Ltda.
ferramentasedge@uol.com.br

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com