Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 09
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Entrevista: O outro lado da moeda
30/04/2008 01h55

O setor de autopeças no Brasil deve alcançar a casa do US$ 1,6 bi em investimentos neste ano. Porém a indústria parafuseira, que diretamente ou indiretamente abocanha uma fatia desse bolo, parece estar distante de entender esse mercado, que vai além das grandes montadoras e chega às portas de pequenas reparadoras automotivas espalhadas pelo Brasil

O engenheiro civil e proprietário de uma reparadora automotiva em Araraquara, Alberto Mantese, percebeu que de todo o seu trabalho, que envolve a manutenção dos mais diversos tipos de veículos, o maior entrave é uma peça pequena, esquecida muitas vezes, mas fundamental para a segurança dos automóveis: o parafuso.
Em entrevista para a Revista do Parafuso, o empresário de 46 anos, fala do quanto é importante, durante manutenções em automóveis, a substituição dos elementos de fixação. Acompanhe.
 
 
 
 
Revista do Parafuso - Qual a sua formação acadêmica e experiência profissional?
Alberto Mantese – Eu sou graduado em Engenharia Civil, com pós-graduação com mestrado em Engenharia Mecânica na área de Motores, pela USP de São Carlos. Acho que posso dizer que desde que me conheço por gente, trabalho com reparação de automóveis. Comecei a lidar com motos, mas acabei ficando com carros, por gostar mais.
RP – O senhor tem uma reparadora, certo?
AM - Isso, há 12 anos, aqui em Araraquara. Nós trabalhamos com reparação de motores, suspensão, freios, enfim, tudo que não esteja ligado às áreas de funilaria e pintura.
RP - Como o senhor chegou a conclusão de que durante a troca de peças essenciais em automóveis não é feito a substituição de elementos de fixação?
AM – Não tenho números, nem fiz uma pesquisa global sobre isso. Posso lhe dizer, pelo meu dia-a-dia, que é comum durante as manutenções em automóveis, as avaliações sobre a necessidade ou não da substituição dos elementos de fixação não receberem a devida atenção, em comparação com as demais peças. Apesar dos manuais técnicos de muitas montadoras serem explícitos em relação a essas trocas, há outros que passam certa dubiedade. Tudo é uma questão de bom senso que nem sempre é usado.
RP - Porque, o senhor acredita que isso acontece?
AM – Os motivos são muitos: despreparo, negligência, mas na maioria dos casos há uma grande dificuldade em encontrar no mercado o parafuso exato para a substituição. As indústrias parafuseiras parecem não quererem vender seus produtos. Quem está disposto a seguir as orientações do fabricante não consegue, porque para conseguirmos o que precisamos só por encomenda. Dificilmente você os encontra em lojas de autopeças ou distribuidoras. Agora você imagina o tempo que isso demanda para nós e o cliente que espera pelo seu carro.
RP - Quais os danos que essa “negligência” pode ocasionar aos veículos?
AM – Vários. Só para te dar um exemplo. Os parafusos mais importantes são os do motor, que são os mais difíceis de achar. Quando eles são removidos não conseguirão oferecer no reaperto a mesma precisão anterior de torque (recomendado pelo fabricante) em razão da sua alteração física, ou seja, o esticamento. Esse esticamento pode afetar a vedação, que comprometerá a vida útil do motor, por exemplo. Em alguns casos, pode danificar o bloco de motor, que pode ser uma grande dor de cabeça. A troca desse bloco requer do proprietário, além de todo investimento com a peça, um gasto enorme de tempo para que possa ser feito a sua remarcação, via departamento de trânsito. Já tive casos de clientes, que acabaram comprando um motor novo, fechado diretamente com a montadora, com nova numeração, porque não conseguia passar por todo processo burocrático da remarcação.
 
RP - Quando o senhor fala na dificuldade em encontrar elementos de fixação para essa reposição, quer dizer que as indústrias parafuseiras dão pouco valor ao mercado de reposição?
AM – Acho que sim. Olha quando você vai aos Estados Unidos, eles simplesmente querem te vender tudo. E mesmo que você não precise, eles “criam a necessidade” (risos). Aqui parece que o segmento de elementos de fixação ainda não entendeu o movimento do mercado. Tudo está muito rápido, o consumidor está mais exigente e ciente daquilo que quer. Se ele não encontra, logo descarta, risca da lista. E nós, reparadoras, somos esse consumidor. Para você ter uma idéia, a manutenção de um carro atualmente é infinitamente diferente do que era feito com um Opala 77, por exemplo. O carro atual não pode poluir, não pode parar, enfi m... No Opala você fazia os reapertos das peças, mas agora na revisão tudo precisa ser trocado, isso inclui os parafusos. E onde os encontramos?
RP - De que forma o senhor acredita que este quadro pode ser revertido?
AM – Com certeza com comunicação. Ela é muito falha entre as indústrias de parafusos e as reparadoras de automóveis. Quando você pensa em trocar amortecedores, baterias, juntas, você tem importantes marcas que logo vem a sua cabeça, que você confia e conhece. E quando você pensa em parafusos? Não há nenhuma marca que te faça recorrer. Normalmente as indústrias de autopeças que conhecemos é por que eles vêm até nós, por meio de cursos, palestras, eventos, que ensinam a usar os seus produtos. Elas se comunicam com as associações de reparadoras, que existe em quase todas as cidades do País, se mostram, falam a nossa língua. Sinto, mas acho que as indústrias parafuseiras precisam acordar.
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com