Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 09
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Exposição: 200 anos de Indústria no Brasil
30/04/2008 03h31

Até o dia 25 de maio, o Museu do Automóvel, em Brasília, recebe a “Exposição 200 Anos da Indústria no Brasil”. A mostra é parte da comemoração dos 70 anos da CNI (Confederação Nacional da Indústria)


A indústria presente desde a moda aos grandes maquinários
 
Na exposição, composta por 252 peças representativas da história da indústria, estão em exibição máquinas, objetos de decoração, roupas, carros, obras de arte, filmes, fotografias e outros, cedidos por colecionadores particulares, museus brasileiros e estrangeiros.
As peças revelam as mudanças ocorridas na indústria ao longo de dois séculos e as transformações dos costumes e dos hábitos da população, desde a chegada da Família Real ao Brasil. Dividida em 10 módulos, a linha do tempo foi definida por uma equipe de 12 consultores, que trabalham nas áreas de história do Século XIX, recuperação de documentos, pesquisa, cinema e fotografia, além de integrantes da Marinha e da Aeronáutica.
 
 
 
 
 
Pérolas da história
Montado no país, a Romi-Isetta foi o carro queridinho do Brasil entre 1956 e 1961. Ele tinha apenas uma porta na frente, com potência para atingir 80 quilômetros por hora e autonomia de 25 quilômetros com um litro de gasolina. Além dela, na exposição é possível ver quatro carros raros que representam a evolução da indústria automobilística.
Outro destaque é um JK-FNM, da Fábrica Nacional de Motores, baseado no Alfa Romeo, de origem italiana. O carro, lançado em 1960, foi batizado com a sigla famosa – JK – do nome do então presidente, Juscelino Kubitschek. A procura pelos primeiros modelos foi grande, mas a produção era pequena. Com motor de quatro cilindros, duplo comando no cabeçote, câmbio de cinco marchas e suspensão estável, o JK era superior aos concorrentes e ganhou status de super-carro.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com