Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 09
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial: Sérgio Milatias
30/04/2008 02h59

A palavra “globalização” vem sendo citada com muita intensidade (em cursos de todos os níveis, palestras, artigos de cunho jornalístico, livros etc) e, equivocadamente, é associada a um fenômeno recente devido a evolução dos modais de comunicação: telefonia e internet. Discordo! Embora o “termo seja recente” (surgido na década de 1980), podemos afi rmar que ela, originalmente, não é a geradora de mudanças, e sim originaria das conseqüências causadas pelas alterações no comportamento do homem e do meio ambiente.

O homem, provavelmente, assumiu o comportamento nômade em razão da escassez de recursos para suprir as suas necessidades, por isso passou a imigrar. Com ele, levava objetos e formas próprias de agir, que no encontro com um novo ambiente originavam novos objetos e hábitos. Desconsiderando a brusca alteração do tempo de duração das viagens (ou o envio de mensagens) entre um continente e outro - que levavam meses, e hoje levam horas - esse homem primitivo já era globalizado. Apenas mais devagar que hoje.

Todas as nossas necessidades são atendidas no dia-a-dia, do contrário não estaríamos vivos. Terminamos o dia com desejos não atendidos, e não necessidades. É apenas isso que fazem as pessoas e empresas ao imigrar para este “solo verde e amarelo”. Uns buscam um novo lugar para sobreviver (necessidade), enquanto o outro visam ampliar lucros (desejos).

As pessoas e empresas brasileiras também fazem isso. Veja o exemplo da Gerdau, que comprou siderúrgicas norte-americanas. Vale ressaltar que estas ações, para serem sadias em ambas as partes, precisam ser monitoradas e geridas constantemente, afim de não causar destruição de mercados; e sim, promover concorrências leais, que são as propulsoras dos avanços em todos os sentidos da economia. Sem a ação dos órgãos gestores, governos e entidades de classe, todos pagam caro, a começar pelas pequenas empresas. Conheci um provérbio indiano que diz: “Quando dois elefantes brigam, quem mais sofre é a grama”.

Tenha uma ótima leitura.
Sérgio Milatias
milatias@revistadoparafuso.com.br

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com