Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 10
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
30/06/2008 10h17

Prezado leitor,

Terminado o primeiro semestre de 2008, podemos analisar o cenário econômico partindo dos números da indústria automobilística, maior consumidora de elementos de fixação, onde foram produzidos 1,68 milhão de veículos, enquanto em 2007 o registrado foi de 1,39 milhão, alta de 21,3%, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Vale ressaltar, também, o setor “Duas Rodas” (motos), que vem tendo crescimento consecutivo há 15 anos. A perspectiva para o segundo semestre é que estes números devem ser, na pior das hipóteses, mantidos, embora ameaçados pelo possível aumento dos combustíveis e pela alta nos preços do aço, entre outros. Se o Brasil acompanhasse o mercado global, a gasolina deveria custar na bomba de R$ 2,50 (em média nacional) para R$ 3,00 o litro, já que o preço do barril do petróleo saltou (e continua saltando) de US$ 30 em 2003, para US$ 140 na última semana de junho.
Os combustíveis afetam toda a cadeia produtiva, desde a mamadeira do bebê (recipiente de plástico, derivado do petróleo) até o vôo de um “747” - que recebe também interferência do aumento do aço, que ficou na casa dos 32% neste ano - nos colocando num impasse onde os custos sobem e ninguém quer pagar a conta. A Revista do Parafuso, em consulta ao mercado, constatou a existência de restrições em toda a cadeia de fornecimento do setor automotivo e isso decorre principalmente da falta de aço, onde as siderúrgicas não estão conseguindo elevar o ritmo de produção com a mesma velocidade da indústria automobilística.
Tudo isso nos leva a um processo de elevação da inflação, que começa com uma coceirinha aqui, outra ali... Há pouco tempo, ouvi a seguinte frase: “uma pequena inflação é rigorosamente igual a uma pequena gravidez: inevitavelmente cresce”. A melhor coisa é prevenir para depois não ter que remediar. Frase esta, presente no artigo do ex-ministro da Fazenda, Delfim Neto, é do Professor Eugênio Gudin, autor do livro “Teoria Monetária”.
Tenha uma ótima leitura.
Sérgio Milatias
milatias@revistadoparafuso.com.br
 
 
 
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com