Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 11
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Acontece
30/08/2008 02h51

Coventya realiza workshop e apresenta soluções para tratamento de superfície

Preocupada com a qualidade dos serviços prestados no que diz respeito a tratamento de superfícies para o setor automotivo, a Coventya realizou um encontro entre montadoras e fornecedores, para trocar informações sobre as necessidades e tendências do mercado

 
Profissionais da área de tratamento de superfícies de algumas das principais montadoras instaladas no Brasil formaram a mesa de palestrantes do workshop realizado pela Coventya Química – empresa de especialidades químicas e equipamentos voltados para tratamentos eletrolíticos. O encontro aconteceu no dia 17 de julho, no Restaurante São Judas Tadeu Demarchi, localizado em São Bernardo do Campo, e reuniu clientes diretos e indiretos da Coventya, do segmento de galvanoplastia.
 
Naquele momento, todos os 180 convidados presentes, tiveram a chance de esclarecer dúvidas sobre o que as montadoras esperam dos fornecedores e se inteirar sobre as normas de cada uma delas no que se referem a tratamento de superfície nos seus mais diversos aspectos, como por exemplo, na aplicação em elementos de fixação.
 
A General Motors abriu as atividades através do Químico Sênior Experimental do Laboratório de Tratamento de Superfície e Corrosão, Maurício Correa, que dissertou sobre as necessidades da montadora em relação às novas tecnologias de revestimentos, já que a empresa migrou para o modelo de norma globalizada (que atenderá a todos os mercados do mundo), e também a utilização de produtos cada vez menos agressivos ao meio ambiente, priorizando a qualidade. “Hoje não se fazem mais peças ou veículos para serem usados apenas no mercado doméstico. Os automóveis e artefatos são produzidos para utilização em qualquer parte mundo, e para isso, precisamos ter um nível de qualidade para cumprir os requisitos de todos os mercados, que em alguns casos são mais exigentes que o nosso”, explicou Correa.
 
 
 



Na seqüência, o Engenheiro de Controle de Qualidade da Moto Honda, Davi Angelim, falou a crescente demanda do segmento de motocicletas. “Nesse aumento de vendas, temos uma premissa básica: manter a qualidade em nossos serviços, lembrando da significativa exposição do usuário final”. Ressaltou o papel dos elementos de fixação, aplicados em grande quantidade nos produtos Honda. “Além de desempenhar a importante função de fixar, eles também refletem na estética”. Esclareceu que os fornecedores e sub-fornecedores precisam se preocupar com o uso de tecnologias em eletrodeposição, que permitam a obtenção de fixadores que atendam as especificações técnicas Honda, através das normas HES (Honda Engineering Standards), a boa homogeneidade visual no processo galvânico, o cumprimento do plano de abastecimento, tendo em vista o processo logístico da marca.
 
 
 



Já o Analista do Produto da Engenharia de Matérias e Aplicações da Fiat, Júlio Cordeiro, comentou sobre o impacto da corrosão na economia, onde o Brasil perde anualmente aproximadamente 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB), num valor anual aproximado de US$ 15 bilhões. Citou como exemplo os lava-rápidos que utilizam produtos que são ácidos e altamente corrosivos.
A Fiat exige que seus fornecedores sejam idôneos, que tenham comprometimento ambiental e sigam processos homogêneos. “Os trabalhos têm que ter um direcionamento focado na qualidade, ecologia e custo competitivo. As montadoras têm importado parafusos da China e Índia, porque o País não tem preços mais acessíveis . Utilizamos cerca de 75 mil parafusos por dia que vieram do mercado exterior”, exemplificou.
 



O Químico Responsável e Especialista em Tratamento de Superfície da Scania, André Tognetti, expôs que a marca privilegia sempre o consumidor final. “O cliente está no centro da cadeia de valores da empresa. Todas as especificações de nossos produtos, sejam caminhões, ônibus e motores industriais e marítimos, são desenvolvidas com base nas mais diversas necessidades de nossos clientes espalhados pelo mundo”, salientou Tognetti. O fornecedor deve conhecer e ser capaz de cumprir todos os requisitos encontrados nas especificações, assegurando a satisfação e rentabilidade dos compradores. “Temos parcerias sólidas com nossos fornecedores ao longo dos 51 anos de história no Brasil”, completou.
 
 
 



Chegado o momento da Volvo, o Coordenador da Garantia de Qualidade do Fornecedor, Éderson Luis Calsavara, trouxe como mensagem principal “Premium Suppliers for a Premium Brand”. O grupo Volvo desenvolve continuamente sua cadeia de suprimentos com o objetivo de tê-la composta por fornecedores excepcionais em qualidade, segurança e respeito ao meio ambiente. “Estes valores devem ser observados, compreendidos e seguidos pelos fornecedores de tratamento de superfície no desenvolvimento de suas instalações, seleção de fornecedores e realização do produto, atendendo as expectativas do grupo”, falou brevemente Calsavara.
 
 
 
 
 



Quando chegou a vez da Volkswagen, o Coordenador da Engenharia de Tratamento de Superfície, Fábio Olivier, explicou que a montadora tem uma lista de galvânicas homologadas que fica publicada na página da internet da fábrica, assim como uma explicação de como funciona o processo de homologação para as empresas interessadas em prestar serviços. Assim como os demais palestrantes, ressaltou a importância dos sub-fornecedores ou seja, as galvânicas, terem mais consciência em relação à montagem de seus banhos, procurando trabalhar com produtos de uma mesma empresa de tecnologia, evitando ao máximo a miscelânea e, muito menos, utilizando-se de formulações caseiras. “Sabemos que a competitividade do mercado é extremamente acirrada, e que a busca de menores custos é o objetivo do empresário de tratamentos de superfície, no entanto, algumas medidas tomadas neste sentido levam a aquele famoso ditado popular, ‘o barato sai caro’”, ressaltou.
 
 
 
 
 
 
À esquerda, diretor executivo KIM da Coventya, Rainer Venz
 
 
 
 
 
 
Para encerrar o dia, o diretor executivo KIM da Coventya, Rainer  Venz, trouxe uma novidade. Sob o tema Homologações e Tecnologia Coventya, abordou os novos desenvolvimentos da empresa, e falou sobre: Passivador Amarelo Trivalente (Lanthane 316) de camada espessa de baixa temperatura para ser usado a temperatura ambiente onde a dissolução de zinco é reduzida à 50%, e demonstrou a redução de custo em energia, pois o mesmo é utilizado à frio. Passivador para Alumínio e Liga de Alumínio (Lanthane VS621), que pode conseguir espessura de 120 nm. Zinco Níquel Alcalino em Fixadores em contato com Alumínio e Aço: Estrutura do Depósito e Vantagem do Zinco Níquel Alcalino em relação ao Zinco Níquel Ácido – a solução alcalina previne também baixa espessura na fenda ou debaixo da arruela em relação a uma solução ácida.
 
Contato galvânico de acoplamento entre peças de diferentes composição (liga de Zinco, Zinco e Zinco + Selante ), entre processos existentes, sobretudo Zn-Mn 5-20 % pode reduzir o contato galvânico com Magnésio e Coeficiente de Atrito em Alumínio. O workshop foi conduzido pelo Gerente de Marketing da Coventya, Raul Grobel; e a tradução da palestra de Venz, ficou a cargo do Supervisor de Desenvolvimento de Produtos, Roger Azeka. Também esteve presente no evento o Analista da Qualidade de Materiais da Mercedes-Benz do Brasil e Diretor da Associação Brasileira de Tratamento de Superfície, Antônio Carlos de Oliveira Sobrinho. “Exigências oriundas de especificações internacionais, restringem o uso de produtos que, até então, podiam ser utilizados em mercados distintos, sem a preocupação de um ‘global sourcing’, realidade que já não pode ser descartada. A cada dia mais ‘tecnologias verdes’ deixam de ser uma utopia e passam a fazer parte de bens produzidos. Esta é a nossa colaboração e responsabilidade’’, abordou Oliveira.
 
 
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com