Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 89
Busca::..
Edição 89
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
06/11/2021 06h48

Editorial

A idade da pedra não acabou por falta de pedras

Indispensáveis, os fixadores estão no caminho das energias alternativas

Se o caro leitor já conhecia a frase título deste editorial, por favor, não fique despontado com essa artimanha em despertar sua atenção. A autoria é de Ahmed Zaki Yamani (1930-2021), ministro da Arábia Saudita entre 1962 e 1970, responsável pelo setor de petróleo. Nela, Yamani quis dizer que o petróleo perderá sua relevância muito antes de acabar.

No Brasil, além de faltar luz, falta clareza sobre quais as fontes de energia realmente irão sustentar as demandas da população e da produção. Mas isso não é problema, e sim uma grande oportunidade. E oportunidades, como sempre, só são enxergadas por poucos. Sorte deles.

Felicidade à vista, pois os ventos que trouxeram a civilização ao Brasil – quando este país ainda estava, praticamente, na Idade da Pedra – vem se tornando, junto com o sol, uma imensa fonte de novos negócios. E algumas das portas dessas oportunidades serão reabertas ainda em 2021, com o retorno das feiras de negócios, e com visitantes. Dentre elas a Brazil Windpower (03-05/nov.), de energia eólica, e a InterSolar (18-20/out.), de energia solar.

Dados de 2020 da Associação Brasileira de Energia Eólica mostram que 103,03 gigawatts (GW) de energia ainda provém das usinas hidrelétricas (58.8% do consumo nacional). Enquanto 17,75 GW vem dos ventos (10,1%), com 3,29 GW radiados pelo sol (1,9%).

As novas matrizes energéticas têm pela frente não só a chance de ajudar a suprir o que já está por aí, mas elas têm o desafio de serem, também, fontes relevantes no abastecimento de milhões de automóveis elétricos. E muito se têm falado desses novos carros, mas sem citar de onde virá tanta energia, pois, colocar milhões de smartphones na carga elétrica toda noite é fácil. Mas e quando forem milhões de carros?

É claro que todos estes questionamentos têm cara de encrenca, para uns; para outros têm cara de oportunidade.

Concluindo, a criatividade e o oportunismo não acabarão por falta de ideias, e sim pela ausência de percepção e esforço.

Boa leitura!

Sérgio Milatias

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com