Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 88
Busca::..
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos
16/07/2021 03h34

Artigos

Torque Residual

Estudo que busca iluminar o significado, conceito, importância, ferramentas e alertas sobre torque residual chega a sua parte final

Nesta edição completamos a publicação deste artigo que nos acompanha desde março, no qual o autor - expert na área de sistemas de fixação em juntas aparafusadas - expõe as mais diversas e apropriadas formas para medição de torque residual e tudo aquilo que pode, eventualmente, causar erros na montagem de conjuntos aparafusados, além de abordar conceitos e os seus significados. (Foto - Eng. Lídio Lima Andrade Jr)

Significados para o torque residual

Uma vez que sabemos como medir o torque residual (como usar a ferramenta) os pontos que devemos evitar para não gerar erro (medir pico, influência dos atritos estáticos, presença ausência de primeiro pico, vale etc.) devemos entender o que significa o valor do torque residual medido e o que ele não significa. Torque residual é uma forma direta e precisa de medir efetivamente quanto uma união aparafusada perdeu da carga inicial após um determinado tempo ou após a junta sofrer esforços dinâmicos. Essa comparação vem da relação entre o torque residual (MnA) e o torque efetivamente aplicado a união no momento da montagem (Ma). A relação entre MnA/Ma indicará quanto foi a perda de carga percentual.

Como sabemos que a relação entre torque e tensão é dado pelo fator K (coeficiente de torque tensão ou nut factor), podemos escrever que o torque MA aplicado no momento da montagem da junta está relacionado com a força tensora da seguinte forma:

 Na equação acima temos:

• MA = Torque aplicado no momento de montagem da união aparafusada

• K = coeficiente de torque tensão ou nut factor

• FM = Força tensora gerada no momento de montagem da união aparafusada

• d = diâmetro nominal do fixador Como a relação torque tensão (fator K) é a mesma tanto no momento da montagem da junta quanto no momento que medimos o torque residual MnA podemos escrever a equação acima para o torque MnA da seguinte forma:

Na equação acima temos:

• MnA = Torque residual medido

• K = coeficiente de torque tensão ou nut factor

• Fv = Força tensora residual, aquela que efetivamente está no fixador após a perda

• d = diâmetro nominal do fixador Podemos expressar a perda de carga como uma relação entre os torques de montagem da junta e o torque residual da seguinte forma:

Na equação acima temos:

• Perda = Perda de carga entre o momento do torque inicial e a média do toque residual

• MA = Torque aplicado no momento de montagem da união aparafusada

• MnA = Torque residual medido Se substituirmos na equação 04 os valores de Ma e MnA dados pelas equações 02 e 03, poderemos escrever a perda da seguinte forma:

E simplificando os termos comuns K e d teremos por fim:

Exemplo da medida do torque residual no momento da medição visto na tela do torquímetro, TGIRO mostrando numericamente a perda residual. Na tela ao lado, o valor do torque é definido por cores: Vermelho = torque residual acima do especificado, verde = dentro do especificado e amarelo = abaixo do especificado.

Tela do torquímetro TGIRO mostrando indicação do ponto onde está o torque residua

 

Exemplos de pontos medidos como torque residual e erros cometidos se mal interpretados:

Nos três gráficos acima temos três situações distintas onde se acerta e onde se erra ao medir o torque residual:

• No primeiro gráfico a seta vermelha indica o ponto correto onde está o torque residual;

• No segundo gráfico a seta vermelha mostra o primeiro pico e este não é o ponto correto como vimos acima;

• No terceiro gráfico a seta vermelha mostra um ponto após o primeiro pico e durante o crescimento do torque em função do angulo e este não é o ponto correto como vimos acima. 

Em suma, a ferramenta e sua parametrização devem ser ajustadas de forma a medir corretamente o torque residual de forma automática.

Exemplos de medição incorreta usando ferramentas mal parametrizadas:

Nesse caso, o ponto informado como sendo o torque residual (MnA) indicado pela intersecção da reta amarela com a curva vermelha está incorreto.

O torque residual (MnA), independente da forma como é medido, da ferramenta utilizada ou da técnica adotada, nunca deve ser usado como um parâmetro para checar o torque utilizado no momento da montagem (MA) ou para certificar se a ferramenta usada para aplicar o torque está medindo corretamente.  

Esse erro é muito comum em muitas empresas e processos, ou seja, usar o torque residual como uma checagem da ferramenta ou do valor do torque aplicado no momento da montagem da união aparafusada, isso não é valido porque precisamos lembrar sempre de alguns conceitos básicos:

 • O Valor do torque residual traz dentro dele a perda de carga como vimos acima;

• Se ele indica que houve perda o seu valor é diferente do valor do torque no momento da montagem;

• Se ele é conceitualmente diferente do torque no momento da montagem, nunca pode ser usado como checagem do torque aplicado na montagem;

• Para se verificar o torque aplicado no momento da montagem o correto é usar rastreabilidade do valor do torque, ou seja. deve ser registrado o valor do torque no momento da montagem e o sistema de rastreabilidade deve ser robusto o suficiente para permitir que a qualquer momento se possa saber qual o valor aplicado no momento da montagem (MA).

Comentários finais

O conceito de torque residual deve ser difundido e deve ser premissa conhecê-lo antes de auditá-lo ou antes de usá-lo como resultado de avaliação de uma união aparafusada. Como vimos, uso incorreto leva a medias erradas e a eventual tomada de decisão incorreta no processo produtivo. Há diversos casos em que se têm muita quantidade de dados medidos incorretamente sendo usados para condenar uniões aparafusadas indevidamente e isso sempre vem de uma soma de fatores como:

• Desconhecimento do conceito de torque residual e o que ele significa;

• Mal uso de ferramentas capazes de detectar o torque residual;

• Escolha de ferramentas inadequadas para a checagem;

• Processos com dependência do operador para medir o torque residual;

• Definição incorreta dos parâmetros de controle do torque residual;

• Falta de treinamento adequado aos envolvidos no processo;

• Fata de investimento em ferramentas adequadas e precisas;

• Falta de informação de conceitos de uma união aparafusada;

• Ausência de rastreabilidade dos dados medidos corretamente. 

Como esse assunto demanda mais detalhes e mais análises, este artigo teve como objetivo apresentar os conceitos, ferramentas e alertas sobre torque residual. Então, espero que tenha sido útil e que seja um ponto de partida para que se possa buscar ainda mais informações sobre o torque residual, seu signifi cado e sua importância.

Eng. Lídio Lima Andrade Jr.
Graduado em Engenharia Elétrica pela Faculdade de Engenharia Industrial (FEI), é cofundador e diretor da Systek Tecnologia, empresa expert em análise de juntas aparafusadas e equipamentos.

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com