Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 86
Busca::..
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Itália News
11/05/2021 08h35

Itália News

Itália: retrato econômico de 2020

“A única função da previsão econômica é fazer com que a astrologia pareça respeitável”

O ano de 2020 será lembrado pela pandemia do Coronavirus. Quase todo o mundo foi infectado por este vírus maligno, que causou graves consequências para saúde pública, economia e a sociedade como um todo. A redução e fechamento das atividades produtivas fez com que vários indicadores econômicos caíssem, evidenciando sintomas de uma perigosa recessão.

Na Itália, o período economicamente mais crítico foi registrado nos primeiros quatro meses do ano, no primeiro período de bloqueio. A flexibilização das restrições nos meses seguintes levou a uma promissora recuperação econômica. Com a chegada do inverno e o ressurgimento do vírus, novas - embora menos restritivas - medidas de bloqueio foram implementadas, resultando em uma desaceleração geral da economia.

Dando uma olhada mais ampla nos efeitos da pandemia na economia italiana, em 31/10/2020 o Banco da Itália anunciou que sua dívida pública, ou seja, a dívida contraída pelo governo para atender às suas próprias necessidades, à qual se somam os juros da dívida anterior, atingiu um máximo histórico de € 2,587 bilhões. Na verdade, no final de 2019, a dívida pública do país era de pouco menos de € 2,420 bilhões.

Consequentemente, a relação dívida/PIB no final de 2020 também atingiu valores máximos (159,9%). No entanto, a razão da dívida/PIB deverá cair para cerca de 153,6% em 2021 graças a previsível retomada das atividades de produção.

Em 2020, todo o setor manufatureiro, de várias maneiras, foi afetado. Após as férias de verão, caracterizadas por uma recuperação econômica fraca, o país entrou em uma nova fase recessiva.

Segundo dados do ISTAT, o índice mensal com ajuste sazonal subiu 0,2%, em base cíclica, apenas para bens intermediários, aqueles que podem ser utilizados apenas uma vez no processo produtivo.

Por outro lado, o índice de bens de consumo recuou (-4,0%), o que é consequência lógica da redução da atividade na cadeia de distribuição. Os índices de energia (-3,6%) e bens de capital (-0,6%) também foram negativos. No entanto, a fabricação de produtos de borracha e plástico (+2,9%) e os equipamentos de transporte tiveram bom desempenho, recuperação que compensou a queda significativa registrada nos meses anteriores (+9,3%).

De acordo com dados fornecidos pela Comissão Europeia, o consumo privado na Itália caiu 10,9% em 2020, mas espera-se uma recuperação em 2021 em cerca de +7,3%.

O colapso da procura de consumo privado, associado a um estado de insegurança generalizada, está na origem da queda substancial dos investimentos de 14,2%, que deverá, no entanto, recuperar cerca de 13,0% em 2021.

A contribuição das exportações, após a grande queda em 2020 (-13,0%), deve ficar positiva em 2021, (previsão de +10,5%), em linha com a tendência do comércio mundial.

Em termos de mercado de trabalho, o desemprego que aumentara para 11,8% em 2020, deve estabilizar em 10,7% em 2021.

Neste ponto, a questão é: "Qual é a previsão da situação socioeconômica da Itália para o futuro próximo?"

O famoso economista J.K. Galbraith (1908-2006) disse uma vez: “A única função da previsão econômica é fazer com que a astrologia pareça respeitável.”

Talvez haja muito pessimismo na declaração do famoso economista. No entanto, existem técnicas matemáticas e estatísticas que podem ser usadas para produzir previsões econômicas confiáveis.

A maior margem de incerteza geralmente reside na previsão numérica, ou melhor, na previsão quantitativa. As previsões das tendências econômicas são talvez mais confiáveis e interessantes. E para ter certo grau de validade e confi abilidade, qualquer tipo de previsão precisa ser periodicamente revisado e recalculado de acordo com as mudanças que possam ocorrer nas variáveis consideradas.

Dito isso, nada nos impede de formular projeções hipotéticas sobre o cenário econômico italiano. A pandemia é, atualmente, o maior fator desconhecido porque mostrou amplamente como é capaz de afetar não só o setor de saúde italiano, mas também todo o tecido socioeconômico do país.

No momento, a maior esperança está na efi cácia da vacina, mas levará meses até que toda a população esteja segura, de modo que o atual estado de inquietação continuará por algum tempo.

Mas tudo voltará ao normal depois que a tempestade passar? Muitos duvidam.

Moralização da epidemia e ambições de reformar o sistema capitalista - escreve Alberto Mingardi em artigo para “Economia e Política” - aposta que a Covid-19 vai deixar sua marca em nós. A pandemia nos empobrecerá, então seremos capazes de pagar menos viagens, menos jantares fora e trocar de carro com menos frequência do que desejamos. Provavelmente estaremos inclinados a economizar mais do que no passado, como quase sempre acontece com aqueles que sofreram um choque muito forte.”

O atual estado de insegurança nos vários estratos sociais pode ser verificado analisando os principais indicadores econômicos, como a confiança do consumidor, que caiu drasticamente, e o índice de propensão a investir de uma empresa, que é negativo para o futuro próximo.

Por outro lado, o forte crescimento da poupança dos cidadãos é a confirmação de um estado de espírito generalizado caracterizado pelo medo e incerteza, que se torna cada vez mais generalizado, resultando em propensão menor a gastar. Isso levanta a questão: “A economia italiana está congelando lentamente por causa do vírus?”

Depende dos setores de negócios. Por exemplo, os empregos mais afetados são serviços (cafés, bares, restaurantes, hotéis, turismo...), vestuário, energia e construção, enquanto outros setores parecem não ter sido afetados.

Um dos setores com melhor desempenho é o de bens industriais, produtos vendidos a outras empresas, que por sua vez os utilizam na produção dos bens que fabricam.

De acordo com operantes na área, em 2020 o desempenho dos trabalhos foi muito positivo, mantendo-se encomendas em níveis satisfatórios, tal como o valor do volume de negócios.

Então, quais são as razões para este desvio da tendência nacional?

Talvez seja a reposição de estoques pelos clientes, esgotados na pandemia, ou compras feitas por medo de um ressurgimento do Coronavirus com a consequente suspensão da produção, ou podem ser os efeitos iniciais do Fundo de Recuperação, ou o importante papel desempenhado pelas exportações.

A verdade provavelmente está nas corretas ações de marketing, que têm induzido, consciente ou inconscientemente, os operadores do setor a privilegiar uma clientela globalizada que tem conseguido desviar suas atividades comerciais de um mercado em recessão para outros mais efervescentes.

O caso mais esclarecedor é provavelmente o da Volkswagen que obteve um lucro de € 10 bilhões em 2020, inferior a 2019, mas superior ao previsto graças ao aumento das vendas do segundo semestre. A atração da VW foi certamente ajudada pela China, cuja forte demanda por carros compensou a retração que a VW sofreu na Europa e Américas, onde a pandemia continua muito ativa.

Os fornecedores VW deveriam, portanto, ter sentido os efeitos da pandemia em menor grau. E, assim como a VW, muitas empresas globalizadas conseguiram amortecer o impacto da crise sobre seus fornecedores em virtude de suas operações dinâmicas. Sem dúvida, com a pandemia, o mundo manufatureiro se encontra em uma situação difícil, que deve ser enfrentada com determinação. Um bom empreendedor é aquele que sabe enfrentar e superar momentos de dificuldade com as ferramentas adequadas, que são principalmente: marketing, informação, técnica de gestão e acima de tudo intuição empreendedora.

Em conclusão, estes tempos exigem que o empreendedor seja capaz de reagir positivamente às situações negativas, ou seja: resiliência.

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com