Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 86
Busca::..
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Europa News
11/05/2021 08h08

Europa News

UE às voltas com novo antidumping contra a China 

A Comissão Europeia iniciou nova investigação com fixadores originários da China (2020 / C 442/06)

Publicado no diário oficial da União Europeia (UE), o texto sobre a ação inclui “itens de fixação em ferro ou aço, exceto inox. Ou seja, a lista contém parafusos fendados auto-roscantes, fendados para uso em madeira (excluindo parafusos de ônibus) e outros tipos de parafusos com cabeças (com ou sem suas porcas ou arruelas, mas excluindo itens para fixar material de construção de trilhos de ferrovias) e arruelas ('o produto sob investigação').”

Tais produtos estão atualmente classifi cados nos códigos NC:

7318 12 90, 7318 14 91, 7318 14 99, 7318 15 58, 7318 15 68, 7318 15 82, 7318 15 88, ex 7318 15 95 (códigos TARIC 7318 15 95 19 e 7318 15 95 89), ex 7318 21 00 (códigos TARIC 7318 21 00 31, 7318 21 00 39, 7318 21 00 95 e 7318 21 00 98) e ex 7318 22 00 (códigos TARIC 7318 22 00 31, 7318 22 00 39, 7318 22 00 95 e 7318 22 00 98).

No texto, a Comissão Europeia explica: “A denúncia forneceu provas de que as importações dos produtos sob investigação da República Popular da China aumentaram globalmente em termos absolutos e em termos de parte de mercado.”

“As provas fornecidas pelo autor da denúncia mostram que os volumes e os preços desses importados, objeto de inquérito, tiveram, entre outras consequências, um impacto negativo nas quantidades vendidas e na parte de mercado detida pela indústria da UE, resultando em efeitos adversos e substanciais sobre o desempenho no geral, na situação financeira e na situação dos empregos das indústrias da UE.”

A investigação englobará prejuízos abrangendo o período de 01/07/2019 a 30/06/2020 ("o período de inquérito"). O exame das tendências relevantes para a avaliação do prejuízo abrangerá de 01/01/ 2017 ao fi nal do período de inquérito ("o período considerado").

O texto completo está disponível em:

https://eurlex.europa.eu/legalcontent/EN/TXT/uri=OJ%3AJOC_2020_442_R_0006

 

VVG agora é Honsel

Após oficializar em 01/01/2021 a fusão com a Honsel Group, a VVG Befestingungstechnik foi rebatizada como Honsel Distribution GmbH & Co. A VVG e a Honsel já estavam intimamente ligadas há vários anos - trabalhando juntas e compartilhando muitos recursos. Diretor administrativo da VVG Befestigungstechnik, Alexander Siefert explicou: “Vivemos tempos muito incomuns nos últimos meses, o que resultou em mudarmos nosso foco para o que é importante para o futuro de nossa empresa. Com VVG e Honsel já trabalhando juntas, a decisão natural foi fazer a fusão de ambas que operassem sob a mesma marca.” Ele acrescentou: “Para a perspectiva dos clientes, não haverá mudanças reais. O tipo e o número da empresa permanecerão iguais, assim como os números de IVA e de registros. Os contratos e/ou acordos permanecerão os mesmos e os clientes ainda entrarão em contato com a mesmas pessoas entre nossas equipes. Ao unirmos as empresas nós simplesmente criamos uma parceria ainda mais forte para os clientes quando se trata de tecnologia de fixação.”

O Grupo Honsel tem mais de 90 anos de experiência no desenvolvimento, produção e venda de fixadores de alta qualidade, bem como em soluções de processamento. Combinado com uma alta disponibilidade para prestar serviços muito abrangentes.

Contêineres afetam abastecimento de fixadores

Escassos, eles têm impactado na disponibilidade de produtos e em custos no Reino Unido e na Irlanda

Os principais portos de exportação globais têm tido sérios impactos devido à escassez de contêineres. Essa crise vem afetando a disponibilidade de fixadores no Reino Unido e na Irlanda, segundo alerta da British & Irish Association of Fastener Distributors, a associação de distribuidores de fixadores das duas nações. Além disso, a crise também está gerando triplicação dos custos dos fretes em contêineres, exacerbando outros custos que alimentam a forte inflação do produto.

Tal escassez tem sido o maior problema, segundo o relato em 01/12/2020 da www.theloadstar.com, mídia expert na cadeia de suprimentos. Essa foi uma avaliação ecoada por importadores membros da British Association of Fastener Distributors (BIAFD), a associação de distribuidores do Reino Unido. De acordo com a BIAFD, atualmente têm ocorrido grandes atrasos nas fábricas, que não podem ter seus produtos enviados ao Reino Unido e Irlanda pela falta dos contêineres.

O CAx, um índice de disponibilidade de contêineres, estava em níveis históricos baixos ao final de 2020. A leitura com um nível abaixo de 0,5 indica um déficit de contêineres. Na 49ª semana o nível do Porto de Xangai era de apenas 0,03 - em comparação com 0,53 dez semanas antes e 0,66 na 6ª semana de 2020. Os índices para outros portos globais – incluindo os europeus – também mostraram disponibilidade de contêineres em queda nas últimas semanas.

A escassez de contêineres é consequência indireta da epidemia Covid. Saindo rápido da pandemia, as fabricantes chinesas recuperaram os níveis de produção e reiniciaram suas exportações globais. E esses embarques aumentaram antes do feriado do Dia Nacional Chinês, em outubro, elevando-se ainda mais durante a alta temporada que antecede o Natal.

Como contêineres são coletados em portos, rodovias e ferrovias, depois sendo redestinados para clientes/empresas, o tempo entre saída e retorno aumentaram significativamente, especialmente pela escassez de veículos e de motoristas que foram afetados pelo coronavírus.

Outro fator da escassez foi agravado pelos volumes de equipamentos de proteção individual (EPIs). importados. Em novembro, dizia-se que o principal porto de contêineres do Reino Unido em Felixstowe estava armazenando cerca de 11.000 contêineres de EPI, encomendados pelo governo britânico. Muitos desses contêineres foram movidos para pontos de armazenamento no interior, mas é improvável que esses sejam liberados por muitos meses.

Com as finanças duramente atingidas pelo colapso do comércio global, resultante da pandemia, as companhias marítimas restringiram radicalmente a capacidade na maioria das rotas. A falta de capacidade e a baixa lucratividade do backhaul (carga transportada) significaram o retorno dos contêineres aos mercados de exportação muito mais lentamente. Rotas trans pacíficas mais lucrativas para os mercados americanos também têm prioridade para navios porta-contêineres e contêineres em relação às rotas europeias.

Embora os fabricantes de contêineres tenham aumentado seus níveis de produção, ainda assim fica bem aquém da demanda, e o conhecimento de que o mercado de contêineres acabará se reequilibrando é um desincentivo para aumentar ainda mais a produção.

Notas:

1•https://theloadstar.com/container-shortages-the- biggest-disrupter-where-are-all-the-empty-boxes/

2•https://container-xchange.com/features/cax/ 

A British & Irish Association of Fastener Distributors representa os interesses de mais de 85 importadores, atacadistas e distribuidores sediados no Reino Unido e na Irlanda.

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com