Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 86
Busca::..
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Eurásia News
11/05/2021 08h02

Eurásia News

Turquia e Reino Unido assinam acordo de livre comércio

Desde 1º de janeiro de 2021 está em vigor um acordo de livre comércio entre a Turquia e o Reino Unido, selado em 29 de dezembro do ano passado. As ministras da área de comércio de ambas as nações, Ruhsar Pekcan (Turquia) e Liz Truss (Reino Unido), assinaram o acordo em videochamada.

"Este é um dia histórico para as relações entre os dois países", disse a ministra Pekcan em seu discurso. “Este acordo será a maior garantia do desenvolvimento do nosso comércio entre a Turquia e o Reino Unido daqui por diante. Isso vai garantir que nossas empresas possam exportar com facilidade e tranquilidade para o Reino Unido nos setores em que somos competitivos”, acrescentou Pekcan, afirmando ainda que o volume de comércio entre os dois países chegou a US$ 15,1 bilhões no período de janeiro a novembro 2020.

Referindo-se ao período de transição do Brexit, a ministra disse que a Turquia continuou as negociações por um longo tempo, apesar das incertezas nas negociações entre a UE e o Reino Unido.

Hyundai Motors: aumenta participação na Hyundai Assan

A fabricante automotiva sul-coreana Hyundai Motor Company solicitou à Turkish Competition Authority (autoridade local que lida com questões de concorrência) a compra da participação acionária do grupo turco Kibar Holding na Hyundai Assan Otomotiv.

A Hyundai Motors detém atualmente uma participação de 70% na unidade sediada em Izmit da Hyundai Assan Otomotiv. Comprando os 30% da Kibar Holding, a Hyunday assume toda a propriedade acionária em circulação, obtendo assim a condição de transformará sua fábrica na Turquia em uma subsidiária integral.

Hyundai Assan Otomotiv produz anualmente mais de 230.000 unidades dos modelos i10 e i20. Sua produção se destina à exportação para mais de 40 países, com uma força de trabalho total de 2.500 funcionários.

Primeira fábrica turca de baterias EV sai em 2022

A iniciativa de construir uma planta industrial para produzir baterias EV (veículos elétricos) é da Ford Otosan, produtora automotiva global, com sede na província de Kocaeli, na Turquia.

Gerente geral, Haydar Yenigün participou de uma reunião virtual, onde informou aos participantes sobre o processo dessa obra. “Estamos levando nossa missão de produzir carros elétricos e investimento em nossa fábrica de Kocaeli um passo adiante com a 'planta industrial de baterias EV'. Seremos a primeira unidade de produção de carros elétricos totalmente integrada", comentou.

Yenigün, ainda destacou que a Ford Otosan é atualmente a maior base de produção da Europa, classificando-se entre os maiores investidores na Turquia. O volume total de investimentos dela na Turquia é de US$ 3,08 bilhões, dos quais US$ 67,5 milhões foram investidos na produção de carros elétricos.

Em uma nota a parte, ele disse que a fábrica de baterias foi concedida para se benefi ciar dos incentivos baseados em projetos fornecidos pelo Ministério da Indústria e Tecnologia, em 4 de dezembro. O valor do investimento fixo foi anunciado em 20,5 bilhões de TRY (Lira Turca, cerca de US$ 2,78 bilhões) e a data de vencimento do investimento é de 6 anos. A menos que o investimento não seja concluído no prazo previsto, o Ministério concederá à empresa mais metade do prazo inicial para a finalização do projeto.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com