Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 84
Busca::..
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
22/12/2020 04h31

Editorial

Vá 2020, vá... 

O que escrever neste final de ano sem que seja mais do mesmo? O que convém abordar neste último editorial de 2020 sem citar o desagradável nome do mal que nos assolou, e que ainda nos assola?

 Nos primeiros meses deste ano eu pensava muito - um tanto incomodado - na grande quantidade de eventos e viagens que estavam por vir. Mas, de repente, se fez necessário cancelar as reservas de hospedagem e tickets aéreos que tinham como destino a Alemanha, sede da feira Wire Düsseldorf, o primeiro dos muitos eventos programados dentro e fora do Brasil. Mas, “parecia algo simplesmente momentâneo” e que passaria logo.

O resto todos sabem, foi uma onda interminável de cancelamentos de feiras e outros eventos, incluindo a própria Wire que estava reagendada de março para dezembro deste ano, mas que foi cancelada em definitivo, na mesma semana em que escrevemos este texto. Sua organizadora, a Messe Düsseldorf “já virou essa página”, reprogramando a próxima edição da feira para a primavera europeia de 2022.

Quem diria, até o desconforto das longas viagens aéreas, as escalas em aeroportos, os preços altos - especialmente para quem vem de um país de moeda depreciada - estão dando muita, mas muita saudade. Vivendo e aprendendo. Lembro-me que numa dessas viagens repensei sobre o mal hábito de chamarmos um dia chuvoso de dia feio. Voando sobre o Deserto do Saara pensei: “Pois é, aqui todo dia faz sol”.

Bem, daqui por diante, a começar por 2021, podemos sim falarmos de esperanças renovadas, de grandes e novos aprendizados, de novos tempos. Mas o que dizer sobre aqueles muitos que se foram, deixando famílias e amigos no vácuo, de corações em prantos?

É possível que alguém que dedica seu precioso tempo nos honrando em ler este texto bimestral esteja passando por isso, e é, também, para eles e elas que mandamos nosso fraterno abraço, mesmo simbólico, e os nossos mais sinceros desejos de superação, sinceros mesmo. Força e Feliz 2021!!! 

Sérgio Milatias

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com