Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 81
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
29/05/2020 06h20

Editorial

Só os paranoicos sobrevivem

Neste período histórico, em que ficou ainda mais latente nossa fragilidade e finitude, abordamos aqui lições de “dois paranoicos”.

O primeiro é Filopémenes (252-183 a.C.), general grego presente no livro “O Príncipe”, de Nicolau Maquiavel (1469-1527). Já citado neste espaço (na edição RP35, setembro, 2012) esse personagem é um bom exemplo em gestão para os dias atuais em se tratando de ações preventivas. Mesmo na ausência de guerras ele se mantinha em permanente estado de questionamento e de reação contra imprevistos.

No capítulo “O que compete a um príncipe acerca da milícia (tropa)” o autor descreve que ao excursionar pelos campos com seus pares o general frequentemente os questionava: “Se os inimigos estivessem sobre aquela colina, e nós nos encontrássemos aqui com nossos exércitos, qual de nós teria maior vantagem? Como poderíamos atacá-los mantendo a formação das tropas? Se quiséssemos nos retirar, como deveríamos proceder? Se eles se retirassem, como faríamos para persegui-los?”.

Filopémenes ouvia e discutia a opinião dos seus pares, e jamais encontrou pela frente algum imprevisto para o qual ele não tivesse preparado.

O segundo é Andy Grove (1936-2016), húngaro que vivou nos EUA entre 1956 até seu falecimento em 2016, autor do livro “Só Os Paranoicos Sobrevivem” (1996), obra em que descreve uma fase transformadora em sua vida profissional. Cofundador e CEO da Intel, Grove inseriu este principal mandamento na obra: “Simule sua própria demissão, imaginária, saia e retorne como se fosse o seu próprio substituto, e que você mesmo possa fazer as mudanças necessárias”.

Diferentemente das lições de Filopémenes, que certamente nos ajudará no comportamento preventivo, as lições de Grove podem servir para nos reinventarmos e reagirmos no pós-pandemia.

 
Sérgio Milatias
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com