Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 80
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
07/05/2020 10h04

 Persona

O que podemos aprender com os efeitos Coronavírus? 

 Produzir um mínimo internamente é estrategicamente essencial para o país

Que grandes aprendizados emanam de momentos de dificuldades, escassez e surgimento do inesperado, todos sabemos. Então, está aí a última encrenca global, o Coronavirus (Covid-19), agente de uma família de vírus que provocam infecções respiratórias, e que vem causando muitos estragos no mercado, mesmo sendo bem menos letal que outras, como a H1N1, por exemplo. (Na foto - Eduardo Lopes)

Não se trata de oportunismo tratar desse assunto agora e em uma publicação técnica, mas é razoável observar que nos vemos em meio ao dilema de manter as rotinas do ambiente de negócios e manter a segurança das pessoas. Um depende do outro, e parar tudo, como já fizeram alguns países, pode ser a fonte geradora de colapsos ainda maiores.

As cadeias de produção e seus mercados-destinos se ramificaram muito ao redor do mundo, de uma forma tão intensa que agora podemos indagar se essa estruturação não deve ser revista. Lidamos com sites produtivos instalados em qualquer parte do planeta porque buscamos bons negócios, simples assim. Mas e se essas cadeias sofrem uma pane, como a que estamos presenciando? O que fazer? Não dá para desenvolver fornecedores em espaços curtos de tempo.

Pois é neste momento que deve ser levado em conta o quanto ter produção interna tem importância estratégica. E não se trata de fechar fronteiras comerciais, ato tão possível quanto desastroso, mas rever daqui por diante como ter um ambiente mais equilibrado para produzir no Brasil, desatando os nós que inviabilizam a fabricação local de parafusos e afins para, pelo menos, o mercado doméstico, oxalá exportar. Afinal, uma prensa multi-estágio ao ser ligada não sabe se aqui é o Brasil, Rússia, Índia, China... Ela vai operar na mesma velocidade e precisão esteja onde estiver.

Eduardo José Bragança Lopes
Bacharel em Direito com formação técnica administrativa em Gestão de Negócios e Marketing, é diretor-fundador da Inox-Par Parafusos, além de acumular outros cargos, inclusive no terceiro setor.

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com