Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 79
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Europa News
18/02/2020 04h05

Europa News

Crescimento nas vendas Bufab, apesar do mercado estar mais fraco

A Bufab registrou vendas líquidas de SEK 1,044 bilhões (coroa sueca) no Q3, crescimento de 17% em relação ao Q3 2018, mas com um crescimento orgânico "ligeiramente positivo", apenas; foram 14% de avanço entre o Q1 e Q3 2019, com 3% de crescimento orgânico

Com lucro operacional (EBITDA) no 3º trimestre (Q3) aumentando para SEK 89 milhões (Q3 2018: SEK 81 milhões), com uma margem operacional de 8,5% (9,1%), no início do Q3 2019 a Bufab concluiu a aquisição da HT BENDIX, com vendas anuais de cerca de SEK 500 milhões.

Suas vendas líquidas entre o Q1 e Q3 2019 aumentaram 14%, para SEK 3,223 bilhões (€ 299,93 milhões), incluindo 3% de crescimento orgânico. O EBITA entre Q1 e Q3 aumentou SEK 311 ante SEK 285 milhões no mesmo período 2018. A margem operacional Q1 a Q3 2019 foi de 9,6% (10,1% em 2018 ). (Na foto - Jörgen Rosengren, presidente e CEO Bufab)

Jörgen Rosengren, presidente e CEO, comentou: “Durante o Q3, a Bufab experimentou uma demanda claramente mais fraca do que no início do ano e em comparação com 2018. No entanto, as vendas, o lucro operacional e o fluxo de caixa aumentaram em comparação com um forte terceiro trimestre de 2018. Isso desenvolvimento foi atribuído principalmente a contribuições positivas de empresas adquiridas.”

Ele relatou que a demanda mais fraca era particularmente perceptível na Suécia, Europa Oriental e China, devido à menor produção entre muitos clientes, bem como nossa perda de clientes.

O segmento internacional Bufab aumentou sua participação no mercado, mas teve um crescimento menor. O lucro operacional e a margem caíram "um pouco" durante o trimestre, mas aumentaram nos primeiros nove meses do ano.

Na Suécia, a desaceleração foi mais forte e resultou em crescimento orgânico negativo, apesar da participação de mercado retida. Os aumentos de preços "abrangentes" fortaleceram a margem bruta no Q3 em comparação com os primeiros semestres de 2019 e 2018. As duas aquisições recentes da Bufab "tiveram um bom desempenho que, combinado com um controle de custos eficaz facilitou um forte aumento no lucro operacional, apesar do mercado mais fraco".

Rosengren disse que a Bufab continua "buscando candidatos atraentes para aquisições que possam contribuir com sinergias de crescimento, relacionamento com clientes, bases de fornecedores e experiência".

Refletindo sobre as condições de mercado, ele comentou: “A antiga incerteza em relação à demanda foi substituída no trimestre por uma desaceleração clara, mas ainda assim limitada. Essa situação apresenta desafios e oportunidades”. “Um controle mais rígido de custos e aprimoramento da eficiência, incluindo ferramentas digitais desenvolvidas nos últimos anos, estão sendo implantados para atender à demanda mais fraca”.

Na frente das oportunidades, o executivo vê uma demanda menor, possibilitando economias de compra, o que será um forte foco durante o próximo ano. Ele também observou que os requisitos para melhorar a produtividade do cliente pressionam os concorrentes mais fracos e tornam os candidatos a aquisições mais inclinados a vender”.

Um desafiador ambiente de negócios para Bossard

O Grupo Bossard relatou ter tido condições desafiadoras até o terceiro trimestre 2019 (Q3), com um aumento de 2,7% (+ 3,2%* em moeda local) comparado a 2018

De janeiro a setembro de 2019 as vendas Bossard registraram CHF 669,4 milhões (franco suíço), aumento de 1,6% (+2,7%*). Ajustadas pelas aquisições, as vendas caíram 0,6% ano a ano em moeda local. Apesar do declínio da economia e da tensão econômica EUA e China, suas vendas cresceram na Europa e Ásia. Nos Estados Unidos, no entanto, ventos persistiram contra.

Com um ambiente econômico na Europa cada vez mais desafi ador, Bossard relatou que as vendas no Q3 subiram 8,1% CHF 127,1 milhões (9,6%*). O aumento inclui a aquisição da Boysen, consolidada em julho 2019. Ajustado as aquisições, o crescimento do Q3 foi de 1,6%*. Entre Q1 e Q3 os negócios europeus cresceram 3,6%, para CHF 391,9 milhões (6,4%*). Excluindo aquisições, as vendas aumentaram 2,1%*.

Já em EUA as condições foram difíceis, com vendas caindo 10,9%, CHF 53,8 milhões (-11,8%*). Entras as razões, alguns projetos de clientes, estimulando o crescimento em 2018, foram finalmente concluídos. A desaceleração da economia levou a menor demanda de clientes importantes. Além disso, o mix de produtos do maior fabricante de veículos elétricos em EUA mudou bastante com a introdução de sua nova série de modelos, o que reduziu as vendas.

Sobre os efeitos da disputa EUA e China, eles estão se tornando cada vez mais tangíveis na Ásia. Mesmo assim, foi possível melhores vendas no Q3 em 8,4%, CHF 37,6 milhões (+8%*). O crescimento contínuo também se deve aos investimentos nos anos anteriores na expansão da rede de distribuição e na modernização infraestrutural. Entre o Q1 e Q3, Bossard registrou crescimento de 9,2% na Ásia (+11,4%*). Sem as aquisições, o aumento foi de 5,9%*.

O Grupo espera que as vendas 2019 fiquem entre CHF 860 milhões e CHF 880 milhões (CHF 871,1 milhões) com uma margem EBITDA (ganhos após impostos, taxas, depreciação e amortização) na extremidade inferior da meta de 10% a 13%.  

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com