Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 79
Busca::..
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
18/02/2020 03h18

Persona

Responsabilidade solidária na busca do desenvolvimento

Preso na armadilha da renda média, o país corre o risco de voltar e ser pobre   

Uma avaliação corrente é que, por não resolver os problemas estruturais, o Brasil tem ficado preso na armadilha da renda média. Segundo o economista Armando Castelar Pinheiro, coordenador do IBRE/FGV, estaríamos caminhando para voltar a ser um país pobre. Ele se baseia em dados de evolução do PIB per capita entre 1985, ano da redemocratização, e 2018: crescimento de 3,4% a.a. na média das nações em desenvolvimento, 1,6% a.a. dos países ricos, 1,2% a.a. da América Latina, excluindo o Brasil, e apenas 0,9% a.a. aqui. Atribui o problema ao atraso nas reformas, comprometendo os investimentos e a produtividade. A falta de ajustes, por sua vez, viria do modelo político adotado, o presidencialismo de coalizão, consequência da multiplicação de partidos estimulada pela Constituição de 1988. Isso teria levado à má alocação dos recursos, a "pautas-bomba", ao crescimento indisciplinado do gasto público, aos baixos índices de investimento, produtividade e crescimento. Sem que aos partidos políticos seja atribuída qualquer responsabilidade por isso. Partidos que têm muitos direitos, poucas obrigações e nenhuma responsabilidade. (Na foto - Carlos Rodolfo Schneider)

Segundo o Tesouro Nacional, em 2018, os passivos da União (principalmente dívida pública federal de R$ 5,7 trilhões e déficit atuarial de R$ 1,346 trilhões na previdência dos servidores públicos) superaram os ativos (caixa da União, créditos, participações em estatais e imóveis) em R$ 2,416 trilhões. Mesmo com a mais alta carga tributária entre os países em desenvolvimento, quase nenhum investimento público e serviços públicos precários. É o rabo abanando o cachorro.

O governo deve prosseguir com as propostas de ajuste fiscal, de desburocratização, de modernização de normas, de aumento de eficiência do gasto público e o Congresso Nacional, os partidos políticos e o Poder Judiciário devem entender a responsabilidade que têm e o muito que podem contribuir para construirmos um país desenvolvido.  

Carlos Rodolfo Schneider
Presidente da Ciser
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com