Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 76
Busca::..
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Índia News
31/07/2019 02h57

Índia News

LPS Bossard lança unidade especializada em tecnologia de montagem 

Gurugram, Haryana - Com QG na Suíça, o Grupo Bossard é um dos principais fornecedores internacionais de produtos, serviços e soluções em tecnologia de fixação mecânica e montagem industrial. Dono de uma rede global de empresas em 77 localidades e 2,5 mil colaboradores, Bossard formou uma joint venture com a LPS, Índia, criando assim a LPS Bossard India Pvt Ltd.

Recentemente, essa joint venture lançou uma unidade especializada em tecnologia de montagem – em Gurugram, 50 km de Nova Delhi, Índia – um tipo de unidade exportado que entra em ação quando empresas desenvolvem um novo produto. De acordo com a LPS Bossard, essa unidade fornece as soluções mais inteligentes para todos os possíveis desafios em fixação, utilizando uma metodologia de três etapas que ajuda a reduzir o tempo de produção e reduz significativamente os custos.

“Nossos serviços em tecnologia de montagem agregam mais de 185 anos de experiência em sistemas fixação com uma visão holística dos custos de processo para fixadores e procedimentos de montagem. Reduzindo a complexidade nas áreas relevantes, colocamos as empresas em posição de serem mais ágeis, garantindo assim sua capacidade de competir”, disse Rajesh Jain, diretor administrativo da LPS Bossard.  

Sundram Fasteners abre subsidiária para Aero-Def

Chennai, Tamil Nadu - A Sundram Fasteners Ltd tem agora uma subsidiária para entrar no segmento aeroespacial e defesa. Em comunicado, o grupo TVS confirmou que a subsidiária Sunfast TVS Ltd se concentrará em oportunidades emergentes neste setor, e que ela já tem pedidos para fabricar peças forjadas, fundidas e usinadas para todos os tipos de veículos terrestres, usados na Defesa.

Um alto executivo da empresa disse que, além de explorar esses sistemas, a Sunfast TVS também buscará acordos para a fabricação de veículos blindados e caminhões. Ele também apontou que a subsidiária irá suplantar os negócios da Sundram Fasteners em veículos espaciais e componentes de helicópteros, e que a nova política de aquisição de defesa do governo abriu uma janela de oportunidades para as manufatureiras locais explorarem isso.

No orçamento de 2018 o ministro das finanças, Arun Jaitley, anunciou a criação de dois corredores de produção industrial para a Defesa, visando assim impulsionar a produção nacional. Os estados de Tamil Nadu e Uttar Pradesh foram selecionados. Enquanto o corredor industrial de Defesa de Uttar Pradesh foi lançado em Aligarh em agosto de 2018, com um investimento de US$ 54,4 milhões, o corredor em Tamil Nadu foi inaugurado pela Ministra da Defesa Nirmala Sitharaman, em janeiro de 2019, com um   investimento anunciado de US$ 44,3 milhões.  

Governo indiano planeja melhor acessibilidade ao aço

Nova Délhi, Delhi - Segundo um funcionário, o governo da Índia está planejando criar um comitê sob o Director General of Foreign Trade (DGFT) para analisar a disponibilidade de aço a preços competitivos para os exportadores de bens manufaturados.

“O comitê apresentará um relatório aos ministérios do aço e do comércio dentro de dois meses, para depois sugerir medidas que fomentem o ganha-ganha, tanto para os produtores de aço quanto para os exportadores”, relatou um funcionário.

Os exportadores desses produtos consideram as taxas no mercado doméstico mais altas e exigem que o aço esteja disponível a preços globais. No entanto, os produtores de aço afirmam que o preço do aço é pressionado devido aos altos custos de frete e da produção dentro do país.

O comitê, juntamente com os altos funcionários dos ministérios e exportadores de aço e comércio, também terá membros do setor de engenharia.  

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com