Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 76
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
31/07/2019 11h11

Editorial 

ISO: Ordem e Progresso

Nessa onda de “Ordem e Progresso”, vivida no Brasil, relembramos o editorial da edição RP20 (março 2010), quando abordamos as origens das normas internacionais para produção de bens e serviços: a ISO.

ISO, que em grego significa “igual”, são as iniciais da International Organization for Standardization, órgão não governamental criado em 1947 para estabelecer normas (ordem) em busca de qualidade (progresso).

A instituição ISO é do século XX, mas por volta do ano 406 (dC) o teólogo Eusebius Hyeronimus (canonizado com o nome de São Jerônimo) viajou para Jerusalém, a serviço da Igreja Católica, para aprender hebraico e traduzir um conjunto de escritas sagradas, o Antigo e o Novo Testamento, trabalho que lhe consumiu 17 anos. Hoje, São Jerônimo é considerado o “Padroeiro dos Bibliotecários”, sendo seu trabalho um marco na concepção da Bíblia, que hoje se conhece. Aliás, livro em grego se escreve “Bíblion”.

Definida a norma do que seria a Bíblia, tornou-se necessária sua reprodução, trabalho feito manualmente por monges, escribas e alunos, com cada exemplar levando meses até a finalização. Porém, o trabalho manual de pessoas diferentes era gerador de variações e distorções entre uma cópia e outra, fossem elas voluntárias ou não, algo solucionado somente a partir do século XV.

Na década de 1450, o inventor (do ponto de vista ocidental) da prensa tipográfica, o alemão Johannes Gutenberg (1400–1468) – também conhecido como o “Pai da Imprensa” – iniciou a impressão em série da Bíblia, uma revolução. Assim, tornou-se possível o estabelecimento de uma norma (ordem) na reprodução, fazendo-as sempre iguais, caminho aberto para fazer mais e melhor (progresso).

Concluindo, cabe questionar se a paternidade da Ordem e Progresso e da ISO não seria de São Jerônimo e Gutemberg?

Boa leitura!
Sérgio Milatias
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com