Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 74
Busca::..
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
12/04/2019 03h00

Persona

Avalie corretamente o custo dos fixadores na condição “em uso”

Autor adverte sobre riscos em dar a compras o poder de decisões que envolvem segurança  

Muitos projetos falham pela incorreta escolha baseada apenas na condição “preço unitário”, não considerando outros parâmetros de vital importância. A falha do elemento de fixação acarreta quase sempre danos irreparáveis não só onde é aplicado e deve cumprir função específica, mas chega a comprometer o produto final em sua totalidade. São muito conhecidos os exemplos, basta percorrer as listas de recalls. Não é raro que em função de pequenas quantidades a se aplicar, o poder de decisão da escolha do fixador se desloque do engenheiro de projetos ao comprador, deixando de lado o critério tecnológico e optando pelo critério preço unitário. Ou seja, desdenham-se especificações incontornáveis como: conformação a frio, tratamento térmico e superficial, uso de aço liga, rosca laminada, resistência mecânica e à fadiga, raios de concordância sob a cabeça, raios na raiz da rosca etc., negligenciados em função do aparente ganho ensejados por uma peça usinada de dimensões e aparência semelhante. Gravíssimo engano!

Diversos pesquisadores, incluindo o britânico Geoffrey Boothroyd (1925-2001) - renomado expert em arames de fogo, tratam do tema “Montagem” como a última fronteira onde são possíveis reduções significativas de custos de produção, e um dos critérios fundamentais de decisão é o chamado “custo do fixador em uso”, ou seja, o custo de todo o subsistema, já montado e nas condições funcionais otimizadas. A Engenharia e Análise de Valor (EAV) é importante nessa análise. Um parafuso de alta resistência, como de cabeça cilíndrica e sextavado interno 10.9 (DIN 912), chega a ter desempenho 1,5 vezes maior que um sextavado de igual dimensão, o que permite miniaturizar as contrapartes, reduzindo suas dimensões e seu peso. Fixador por fixador, o parafuso cabeça cilíndrica e sextavado interno tem preço unitário maior, mas o subsistema onde é aplicado tem custo expressivamente menor e oferece outras vantagens, como a miniaturização. São inúmeros os casos já relatados.

O critério tecnológico deve prevalecer sobre os aparentes ganhos. Como ensina o expert em fixação, nosso colega Rubens Cioto: “O parafuso é uma força. Qual é esta força? Como aplicar esta força? E como manter esta força em uso?”. Enfim, algo muito além do preço unitário. Atenção pois...  

Alfredo Colenci Junior
Consultor e pioneiro na educação superior tecnológica, lecionou na Escola de Engenharia de São Carlos USP e no Centro de Educação Tecnológica Paula Souza, onde também foi vice-diretor superintendente, além de gerente de engenharia da Metalac S.A.
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com