Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 18
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Máquinas
30/10/2009 11h30

Máquina integra operação de endireitamento, dobra e rosca

Com diversas unidades já produzidas, esta máquina permite ao operador recolher a peça pronta, destinando-a diretamente ao tratamento superficial


A construção civil foi um dos setores da economia que mais cresceu nos últimos anos, também, em função dos grandes avanços tecnológicos. Para fomentar ainda mais esse segmento, uma empresa sediada no bairro da Mooca, na capital Paulista, traz uma novidade para a fabricação de fixadores. Trata-se de uma versátil máquina automática que processa arames até a confecção final da rosca, uma solução “2 em 1” para a fabricação de fixadores do tipo Pitão, Gancho e Escápula, com capacidade para atuar com diâmetros variados, chegando até 1/4”.

Em regra, este tipo de produção exige a utilização de duas máquinas (uma dobradeira e uma laminadora de rosca), sendo que esta solução pode funcionar de forma plena ou em apenas uma das suas operações. Sua função é puxar, endireitar o arame, dobrar e em seguida conduzir o artefato para uma laminadora de rosca por pentes planos, cabendo, em seguida, ao operador apenas o recolhimento da peça pronta, podendo destiná-la “Non- Stop” para o tratamento superficial.
 
Ela pode operar com velocidade final de até 170 rotações por minuto (RPM), o que significa dizer que, com arames de até 3,4 mm, sua produção pode alcançar 170 peças por minuto (PPM). Vale observar que elas são indicadas, também, para processamento de artefatos em aço inox. Genuinamente nacional, seu projeto foi criado e patenteado pelo engenheiro e diretor industrial da NR Máquinas, Nilson Henrique Honório. Segundo ele, atualmente já existem seis máquinas dessas em operação no País, com novas encomendas em andamento.

 

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com