Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 73
Busca::..
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Entrevista
12/02/2019 06h23

Entrevista

Marco Polo de Mello Lopes

 

Durante entrevista coletiva, o presidente do Instituto Aço Brasil apresentou um balanço positivo sobre o desempenho da indústria nacional de aço, uma das 10 maiores do mundo 

 

Marco Polo de Mello Lopes

Michel Temer já não mais ocupa o posto máximo da República, mas quando concluímos esta compacta entrevista – com parte do conteúdo gentilmente fornecido pela assessoria de imprensa do instituto Aço Brasil (IAB) – ele ainda era presidente e pato manco (“lame duck” como se diz em EUA sobre políticos “cumprindo aviso prévio”). Mas, em seu encontro com a imprensa, nosso entrevistado que é presidente do IAB iniciou sua apresentação fazendo justas e elogiosas citações a Temer, lembrando que seu governo será marcado por seu “DNA reformista”, incluindo a modernização trabalhista, a terceirização e o controle dos gastos governamentais, bem como o controle da inflação e a estabilização da taxa de juros no mais baixo patamar da série histórica (6,5% ao ano) e que está deixando um país muito melhor do que encontrou, e que certamente será benéfico aos próximos governantes e à população em geral.

Em seguida, Marco Polo fez algumas exposições em slides sobre o universo nacional e internacional do aço em tempos recentes, questões sobre a defesa de mercado, finalizando com o balanço 2018. Ele demonstrou um pertinente otimismo em relação a 2019, especialmente pelo nível de confiança do empresariado, o mais alto desde 2012, bem como pela expectativa de que a retomada das mais de 3 mil obras públicas de infraestrutura seja o começo da tão esperada redenção da maior economia do Continente.

O IAB, que integra coalizão empresarial da indústria ao lado de outras 09 entidades de classe (ABIMAQ, ABINEE, Abicalçados, ABIQUIM, ABIT, ABRINQ, ANFAVEA, AEB e CBIC), tem conversado com o Governo em busca de uma agenda que tem como primeira e imprescindível prioridade o ajuste fiscal, associado à aprovação das reformas da previdência e tributária. Constam também como prioridades da agenda da coalizão a retomada dos investimentos na construção civil e em infraestrutura e o fomento às exportações.

Desempenho
Ao finalizar 2018, a indústria brasileira do aço deve confirmar sua trajetória de recuperação com crescimento nas vendas internas de 8,9% em relação a 2017, somando 18,8 milhões de toneladas (Mt) e de 8,2% no consumo aparente, que deve atingir 21,1 Mt, segundo previsão do IAB. No tocante à produção, tendo em vista a entrada de novas produtoras de aço no mercado e o atingimento do pleno ritmo de operação pela Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), a indústria brasileira desse segmento pode ter terminado 2018 com recorde de produção de aço bruto (estimada em 36 Mt). As importações devem aumentar 2,6% em relação a 2017, totalizando 2,4 Mt, e as exportações devem cair 7,2%, devendo atingir 14,2 Mt. Apesar desses números positivos, quando comparados a 2017, as projeções das vendas internas e do consumo aparente ainda permanecem abaixo dos níveis de 2013.

Inesperado
A decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de restringir o mercado americano às importações de aço (a chamada “Seção 232”), desencadeou uma escalada protecionista por parte dos demais países prejudicando o crescimento do volume das exportações. Por aqui, a greve dos caminhoneiros, ocorrida em maio, dificultou um maior crescimento das vendas de aço no mercado doméstico em 2018. Essa ação gerou a paralisação de 10 aciarias e 15 laminações e 16 auto-fornos abafados. Os impactos acumularam R$ 3,3 bilhões de prejuízo: R$ 1,1 bilhão devido à greve; R$ 1.8 bilhão devido à tabela do frete e R$ 400 milhões em função do Reintegra.

Mercado Global
Entre diversos slides, Marco Polo apresentou uma trajetória que destaca, por exemplo, o desempenho do aço chinês, que aumentou mais de 76 vezes sua entrada no mercado Brasileiro. Comparando, no ano 2000 o Brasil importava 12 mil toneladas (t) de aço Made in China. Já 2018 deve fechar com 915 mil t. Segundo o entrevistado, é necessária a adoção de salvaguardas, recurso utilizado por todas grandes nações da economia global. Assim, a reputação de que o Brasil é uma nação fechada ao mercado externo não se sustenta se comparado aos 10 maiores países em produto interno bruto (PIB) do mundo. O quadro abaixo mostra a posição do Brasil no ranking do PIB e na produção global de aço. 

Expectativas 2019
 
As previsões são otimistas em relação às medidas que estão sendo anunciadas pelo novo Governo. O IAB, vive uma expectativa de aumento das vendas internas de aço na casa de 5,8%, totalizando volume de 20 Mt, com o consumo aparente subindo 6,2%, indo para 22,4 Mt. O IAB que integra coalizão empresarial industrial junto com outras 09 entidades de classe (Abimaq, Abicalçados, Abinee, Abit, Abiquim, Abrinq, AEB, Anfavea e CBIC), tem recomendado que o Governo adote uma agenda incluindo como imprescindível o ajuste fiscal, associado à aprovação das reformas da previdência e tributária, bem como recomendando a aplicação de 3,3% do PIB em infraestrutura, mas que o ideal seria 5% para se manter um crescimento sustentável. 

Ranking das 10 maiores economias mundias

Marco Polo de Mello Lopes

 
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com