Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 72
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
28/11/2018 04h52

Editorial

 O mito da criação de empregos

 

Não devo ter sido o único a ouvir pessoas decididas a votarem, nas recentes eleições, em certos candidatos sob o seguinte argumento: “Eles pelo menos, defendem os empregos dos trabalhadores". Indaguei: Mas alguém defende o contrário?
 
A lista daqueles que se dizem capazes de criar empregos é infinita. Na classe política, muitos nunca tiveram um CNPJ na vida, uma fábrica, oxalá uma quitanda ou uma oficina mecânica, mas prometem criar o que nunca criaram. E nem vão criar, porque não existe criação de empregos. É apenas uma bobagem criada e usada por demagogos, pois, o surgimento de um novo posto de trabalho não é uma ação e sim uma reação subsequente do empreendedorismo.
 
Em qualquer lugar, onde humanos habitam em grupos organizados, existem agentes (empreendedores) que se diferenciam dos demais ao identificarem necessidades e desejos e explorá-las. Em busca de lucro, esses agentes desenvolvem de forma abstrata e/ou material ofertas para atender essas demandas. Este é o mandamento fundamental de Marketing.
 
A partir do momento em que esses agentes alcançam o êxito, e já não conseguem manter seu nível de oferta devido ao aumento da demanda, seu trabalho tende a se acumular. Neste momento oportuno a necessidade se inverte, demandando aos agentes buscarem outros agentes (colaboradores, operários, trabalhadores) que então passam a operar sistematicamente em conjunto, num processo de troca, denominado trabalho remunerado.
 
Em suma, já passou da hora de eliminarmos os arcaicos termos “patrões & trabalhadores”, trocando por “clientes & fornecedores”, considerando que um emprego é nada mais do que uma relação entre homens/mulheres de negócios, fruto da exploração oportuna de empreendedores, num ambiente de demanda e oferta, tudo em um processo de troca com agentes em busca de lucro.
 
 
Boa leitura!
Sérgio Milatias
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com