Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 70
Busca::..
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Europa News
31/07/2018 09h42

 Europa News

 

Balanço sobre importação 2017 na UE

Dados da Eurostat detalham importações de fixadores nos 28 países membros da UE, publicados recentemente; confira a seguir um breve resumo, analisando primeiro todos os tipos de fixadores, e em seguida, especificamente os itens sujeitos a vigilância no licenciamento de importação  

 

A figura 1 resume o quadro das importações em todos tipos de fixadores (ferro/aço), sob o código tarifário 7318 CN4 das principais fontes asiáticas na última década. Vale observar o quanto a importação era dominada pela China (continental) antes de implementadas as tarifas antidumping da União Europeia (UE). Entre 2009 e 2010, o efeito das tarifas pode ser notado, mas os volumes globais dessas importações foram suprimidos pela crise financeira ocorrida neste mesmo período. Estoques foram reduzidos e houve uma forte oscilação de curto alcance e menor tempo de fornecimento.

À medida que os mercados se recuperavam e os importadores voltavam ao longo prazo, com maior tempo de fornecimento, as compras se voltaram para Taiwan, de onde as importações mantinham-se em crescimento, mesmo após o antidumping sobre a China ser revogado.

Outras nações foram alcançando relevância. Algumas fontes desses volumes de importação eram representadas pelo movimento (transshipment) de fixadores chineses através de países terceiros, mas que progressivamente foram bloqueados por investigadores da UE. No entanto, o crescimento da capacidade de fabricação genuína em outros países também se torna cada vez mais significativo. O crescimento do Vietnã – quase cinco vezes em dez anos – reflete a contínua busca por menores custos de produção. O crescimento de 300% da Turquia, por outro lado, reflete sua expansão na capacidade de produção de fixadores com maior nível de qualidade, combinada com curtos prazos de entrega dentro dos principais mercados europeus.

Os gráficos circulares comparam as cotas de importação de 2007 e 2017, novamente para todos os fixadores de ferro / aço. O volume total de importações desses países foi cerca de 7% maior em 2017 comparado a 2007. O que os gráficos demonstram, no entanto, é quantos outros países, além da China e de Taiwan, desempenham um papel significativo no fornecimento de fixadores para a Europa.

Após a revogação do antidumping sobre fixadores de aço carbono chineses, as tendências das importações foram, inevitavelmente, sujeitas a um intenso escrutínio. O padrão, no entanto, provou ser menos linear e muito mais difícil de ler do que muitos esperavam. A figura 4 se foca apenas nos produtos sujeitos às medidas de vigilância prévia da UE e na comparação chave entre a China e Taiwan.

As importações da China cresceram rapidamente nos meses posteriores à revogação do antidumping, impulsionadas principalmente por arruelas e pequenos parafusos, que apresentaram o maior diferencial de custo, ao contrário dos fixadores de alta resistência. Então, quase tão dramaticamente, eles recusaram. Após o ressurgimento no verão de 2017, eles voltaram a cair no final do ano. Considerando todo 2017, os volumes de importação da China ficaram em 55% dos que foram experimentados em 2007. O significado desse número irá variar dependendo se você é um fabricante ou um distribuidor. No entanto, não é o que a maioria das pessoas esperava ver.

Então, por que com as portas europeias reabertas, a China não recuperou o domínio de 2007? Existem várias influências importantes. Outros países entraram na disputa, alguns com menores custos de produção. As bases de fornecimento de fixadores estabelecidas aumentaram a produtividade e a qualidade - influenciando nas classes de fixadores de maior valor agregado. Os requisitos europeus de confiabilidade da cadeia de suprimentos se intensificaram. A incerteza sobre o potencial do novo antidumping moderou o reengajamento com a China.

Talvez, o mais significativo seja que a China de 2017 não seja a mesma de 2007. Entre 2008 e 2016 seus salários médios de produção mais que dobraram, e outros custos de produção também aumentaram substancialmente. Medidas rigorosas para reduzir a poluição na água e no ar impactaram indústrias de aço, revestimentos e fixadores, chegando a quase interromper completamente a oferta de fixadores em algumas áreas. A tendência do custo do aço tem aumentado nos últimos dois anos. Significativamente tem sido, em várias ocasiões, extremamente volátil, trazendo a validade da cotação para uma questão de dias.

Isso faz da China a economia de mercado que agora afirma ser? No que diz respeito ao aço, a Comissão Europeia é enfática no sentido de que distorções significativas continuam influenciando os custos de exportação.

O que tudo isso significa para a perspectiva de novas medidas de defesa comercial na China? Novamente, seu ponto de vista será diferente dependendo da atividade de sua empresa, mas a questão claramente não desapareceu, embora a bola de cristal permaneça densamente opaca.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com