Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 70
Busca::..
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
31/07/2018 09h33

 Persona

Um Brasil mais competitivo

Altas na China abrem oportunidades para produção nacional de fixadores

Prezado leitor, como teremos em breve as eleições é natural o sentimento de apreensão. Mas tenho razões e dados que indicam boas perspectivas para a indústria nacional, sobretudo porque estamos mais competitivos na comparação com a China.

Gigante em todos os sentidos, na China os problemas também são grandes, basta analisar que seus custos de produção subiram, inviabilizando produtos acabados chegarem ao Brasil no preço da matéria prima, como outrora.

Em janeiro de 2016 o fio-máquina 41 Cr4 Made in China custava US$ 380 CIF Brasil. Devido ao rigoroso controle antipoluente que o governo Chinês teve que implantar – após o acordo de Paris, em 2015 – muitas siderúrgicas operam com 50% de sua capacidade, gerando aumento significativo dos seus preços, desde Março de 2016. Isso levou ao preço atual de US$ 830 CIF Brasil. Além disso, muitas empresas chinesas de tratamento térmico e de superfície que funcionavam abaixo de condições mínimas foram fechadas, elevando ainda mais o custo final de fixadores e outros.

Sugiro uma consulta ao texto do Dr. Volker Lederer (presidente da EFDA, a Associação dos Distribuidores de Fixadores na Europa) colunista desta seção na edição de março (RP68). Ele cita que nas linhas de parafusos especiais os preços na Turquia e outros países da Europa Oriental já competem com os chineses.

Um ponto também relevante situa-se no frete, que antes estava em US$ 800; hoje está em US$ 2.800. Outro fator que reforça nossa produção doméstica vem do câmbio desvalorizado, principalmente em razão do aumento dos juros pelo Federal Reserve (Fed), o banco central dos EUA.

Portanto, são essas as razões para crermos que nosso País importará menos e produzirá mais. Logicamente, o aumento da produção também se concretizará com a expansão do consumo interno.

Fernando Kai Jr.
Diretor Comercial da Chun Zu do Brasil
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com