Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 70
Busca::..
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
31/07/2018 08h13

 Editorial

Uma China ais cleamn e mais cara

 

Questiona-se o sistema produtivo industrial chinês como fator que desequilibra a competividade global. Entre as razões que nos diferencia estão relações trabalhista, tributária e crédito, tudo em que o Brasil está em desvantagem. Mas a questão aqui é ambiental.

Na Revista do Parafuso RP66 (11/2017), nosso colega Ivan Su (China News) relata que na feira de fixadores no distrito de Yongnian, um ponto marcante foi o “céu estar limpo”. Isso é resultante de esforços do governo chinês no combate à poluição, e que muitas indústrias da cadeia produtiva de fixadores fecharam, obrigando as sobreviventes a se adaptarem, o que implica na elevação de preços.

Em julho o portal da BBC (British Broadcasting Corporation) relatou que containers que despejam manufaturados nos EUA retornavam à China contendo lixo, entregues para camadas pobres da população local para reciclagem em matéria prima. Os containers vazios barateavam o envio do lixo, mas com a proibição chinesa é certo que preços de certas matérias-primas subirão.

Mas vale lembrar que já fizemos o mesmo no Brasil, principalmente a partir dos anos 1960, algo ainda não solucionado totalmente. Especialmente no trecho da cidade de São Paulo, rios como Pinheiros e o Tietê ainda estão muito poluídos. Isso inclui outros, como o Tamanduateí que traz muito em vestígios industrial e doméstico do ABC (cidades da região metropolitana de SP), isso sem falar dos terrenos contaminados, como da Indústria Matarazzo, em São Caetano do Sul.

Volker Lederer, nosso colega da seção Persona, apontou na edição RP68 que o acordo de Paris 2015 impôs à China obrigações ambientais que encarecem sua produção, levando competividade aos fixadores especiais da Turquia.O Brasil pode se beneficiar também, é o que aponta Fernando Kai Jr. na seção Persona desta RP70.

 

Boa leitura!
Sérgio Milatias
 
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com