Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 65
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Eventos - Brazil Windpower
25/09/2017 09h36

Eventos

Brazil Windpower: feira e conferência nacional em energia eólica

Evento teve como marco a retomada de leilões de reservas e transmissões agendadas para dezembro  

 

 

Realizada na cidade do Rio de Janeiro, a Brazil Windpower 2017, feira de negócios e conferência, fechou o ciclo de eventos do mês agosto em meio às boas expectativas em razão do aquecimento geral na economia nacional, bem como no agendamento de leilões para dezembro deste ano. O primeiro desses leilões ocorrerá no dia 15 na área de transmissão e o outro no dia 19 de dezembro, envolvendo reservas. Segundo Ivan Reszecki, conselheiro da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), o cenário sofreu com cancelamentos desses leilões, ocorridos dois anos atrás, que agora estão sendo retomados.

Segundo Reszecki, a expansão dos parques eólicos dessa matriz energética tem sido acompanhada por grandes processos evolutivos, tornando os mesmos equipamentos cada vez mais eficientes, ou seja, produzindo cada vez mais com menos. “Já existem em operação torres eólicas com até 137 metros de altura, gerando mais de 3 megawatts”, disse ele que também é presidente da fabricante de fixadores Metaltork.

Só para se ter uma ideia em números, uma dessas torres eólicas – chamadas nesse meio de aerogeradores – são dotadas de um conjunto rotor com pás (hélices) que já alcançam cerca de 80 metros de ponta a ponta entre elas. Custando entre R$ 6 e R$ 8 milhões cada, essas torres podem gerar em torno de 1,8 MW (megawatts) de potência, ou seja, cerca de 5,2 milhões de KW/h (quilowatts/ hora), capacidade suficiente para abastecer mais de 2,6 mil residências entre janeiro a dezembro de cada ano. Segundo a ABEEólica, o Brasil já possui 468 usinas de energia dos ventos e a capacidade instalada já alcança 12 GW (gigawatts). Em 2011 essa capacidade era de apenas 1,5 GW, crescendo 8 vezes, o que poderia nos levar a 24 GW em 2021, mas a ABEÉolica estima chegar em 2020 a 17,9 GW, número que não é de se jogar ao vento.  

                           Dörken MKS

Cerca de 70% por cento da atuação mundial da Dörken ocorre no setor automotivo, mas sua presença em duas décadas em energia eólica indica que sua pisada no acelerador está a favor dos ventos. Motivador, o CEO da Cia, Martin Welp, disse-nos na edição anterior dessa RP que o mercado no Brasil está favorável a veículos comerciais, e ninguém compra isso se não estiver enxergando expansão das demandas. É um bom sinal, pois, demanda gera demanda.

As linhas de revestimentos anticorrosivos para metais Dörken mantêm-se presente neste mercado de geração de energia, pois isso já não é apenas uma promessa, e sim uma realidade dado ao salto de expansão de 1,5 para 8 GW num período onde a economia no geral desandou. “Nossas linhas de organometálicos vêm sendo aplicadas em conjunto com aerogeradores na terra e no mar (onshore e offshore) há mais de 20 anos na Europa e em outras partes do globo. É isso que estamos expondo aqui, primeiramente obtendo a confiança e oferecendo apoio técnico aos novos clientes, lhes demonstrando, em seguida, os benefícios de cada linha de nossos revestimentos, que pode estar presente em extensas superfícies como torres, pás e rotor, mas também nos pontos chave, como nas fixações compostas por parafusos, porcas e arruelas, prisioneiros, busching, barreis e outros”, relatou Robinson Lara, responsável pelas operações Dörken no Brasil e na América do Sul, que expôs ao lado do colega alemão, Kurt Gradike, gerente internacional de negócios e especialista em energia eólica.  

                                                                                                Metaltork 

Uma das mais importantes fabricantes de fixadores metálicos da América do Sul, a Metaltork completará 60 anos em 2018, e isso esteve grafado no estande da Cia na Brasil Windpower.
 
Segundo Ivan Reszecki, presidente da Cia, 2017 marca um recomeço do setor, porque na edição 2015 da feira algumas empresas tinham pedidos acima da capacidade produtiva, mas o ciclo foi abalado devido à interrupção dos leilões de reservas, mas que já estão reagendados para dezembro próximo. O executivo relata que também vivemos um momento de avanço na produtividade individual das torres, com conjuntos cada vez mais eficientes e maiores, alguns passando dos 137 metros de altura.
 
“Na Metaltork fazemos parafusos de até M64 e cerca de 15kg. Neste segmento a demanda sempre gira acima de M30, sendo que temos prensas com capacidade de produção de parafusos a frio até M36. Acima de M36 as peças têm processamentos mistos, com usinagem e forjamento a quente. Além disso, produzimos itens especiais como busching e barréis, que fixam as pás no hub (nariz da máquina). São peças entre M36 e M40 com média 500 mm comprimento. Outras peças que fazemos são os anchor bolts, tipo de prisioneiros instalados na estruturação de base das torres, com diâmetros entre M36 a M42 e comprimento de 3 metros, com peso em torno de 40 kg”, concluiu Reszecki.    
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com