Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 65
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
25/09/2017 09h07

Editorial

Despacito

Na retomada da economia até a importação, lentamente, está em expansão

No ano passado este mesmo espaço trazia o título: “2016, só não vai atrás quem já morreu”. Já esperada, a interrupção da queda econômica e a retomadado crescimento começou, mas só agora em 2017, um ano depois de 2016.

Na retomada em alguns setores bons números falam por si, exemplo da indústria automotiva, que cresceu 22,40% entre janeiro e julho, graças às exportações já que o mercado doméstico ainda está sob o modo Despacito (lentamente, como no hit internacional do momento). Mas no ritmo automotivo poderemos fechar 2017 com 2,7 milhões de autos produzidos.

Usando a média de 1200 mil fixadores (26 kg) em cada carro depasseio,como o Gol VW, estimamos que as montadoras locais colocaram este anos nomercado cerca de 1,78 bilhões de fixadores (38.740 toneladas) entre parafusos, porcas etc. Comparando, entre Janeiro e julho de 2016 foram feitos 270mil autos a menos que 2017, excluindo assim o consumo de 324 milhões de fixadores (7.200 toneladas). Se os 2,7milhões forem alcançados em 2017 teremos demanda de 648 milhões de fixadores (mais de 14 mil t.).

Mas quem gosta de exportar tem que gostar de importar. E uma parte desses fixadores automotivos são importados, alguns deles inseridos em conjuntos já montados, outros chegam aos nossos portos a granel. Isso ocorre na indústria em geral, além da automotiva, e com a retomada econômica a importação também já está pegando uma carona nesta nova era de expansão, como apresentados na tabela.

Boa leitura!
Sérgio Milatias

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com